A crise na Catalunha só tem uma solução para Paulo Portas, que passa pela atual, com um governo autonómico, porque outra solução que não esta precipitará outras lutas pelas independência, como a do País Basco.

O problema não tem solução, só tem a solução de Espanha e Catalunha continuarem a viver juntas dentro do maior sistema de autogoverno possível por parte da Catalunha. A Espanha é muito forte por fora e muito frágil por dentro, e não é um Estado-Nação, ao contrário de Portugal. A Europa era a maneira de catalães e espanhóis viverem juntos e continuará a ser, a meu ver", analisou, esta noite, na rubrica "Global", no Jornal das 8.

Para Portas, o nacionalismo catalão é mais "mitológico" que real.

Estão convencidos de coisas que eles próprios inventaram, mas que não são verdades históricas, é preciso dizê-lo com clareza. No nacionalismo da Catalunha há dois braços: o braço burguês, fortíssimo, e o braço anarquista ou revolucionário. Na Guerra Civil de Espanha houve uma guerra civil dentro da guerra civil na Catalunha entre anarquistas, trotskistas, comunistas e socialistas."

Na análise do comentador da TVI, Espanha perderá muito com a independência da Catalunha, muito mais do receitas.

É que se um dia a Catalunha for embora, o processo não termina ali. A seguir vem o País Basco, onde o nacionalismo é uma questão ainda mais séria e profunda."