Rui Moreira acredita que "inevitavelmente" Portugal vai ter eleições antecipadas "em busca de uma solução que garanta governabilidade", na sequência de um dos assuntos que marcou a semana: o envio do diploma dos apoios sociais para o Tribunal Constitucional.

Eu afirmei há umas semanas que a governabilidade estava por um fio e este episódio veio demonstrar isso mesmo, ou seja, numa situação tão grave como aquela que o país vive, e que se vai agravar em termos de emprego e de finanças para as famílias, o facto de não termos hoje uma situação estável, que garanta um apoio parlamentar ao Governo, cria enormes dificuldades ao país", afirmou o comentador na TVI24. 

 

O senhor Presidente da República o que tenta fazer é: perante esta situação tão complicada como aquela que estamos a viver é importante haver um entendimento entre os partidos para que o orçamento seja aprovado nos próximos dois anos. Mas, que orçamento? Porque nós já verificamos que este orçamento com o que nós hoje vivemos em primeiro lugar é uma manta de retalhos e é um orçamento ao mesmo tempo que depois os próprios partidos da oposição, em coligação negativa como foi agora o caso, não se contentam com ele e querem mais coisas", adiantou.

O primeiro-ministro anunciou na quarta-feira que o Governo vai enviar os diplomas do reforço dos apoios sociais para o Tribunal Constitucional e afastou qualquer conflito entre o Executivo e o Presidente da República.

Lara Ferin