Esta semana esteve na ordem do dia a transferência dos imigrantes que trabalham nas explorações do concelho de Odemira. No seu comentário semanal na TVI24, Rui Moreira fala num "problema que todos conhecíamos, mas que estava de alguma maneira escondido".

Para o analista, correu quase tudo mal, a começar desde logo pela decisão do ministro da Administração Interna de fazer a requisição civil do complexo turístico Zmar para alojar os imigrantes sem condições de habitabilidade e também as pessoas que cumprem isolamento profilático por causa dos surtos existentes naquela autarquia.

Esta matéria não deve ser feita por uma ordem absolutista. Devia ter-se falado com as pessoas em causa", afirma.

Sobre a reação da sociedade, nomeadamente das pessoas que têm casas no Zmar, Rui Moreira nota algum "racismo": "Se fossem alemães que lá fossem instalados, tenho a impressão que não haveria tanto espanto".

Olhando para a necessidade da comunidade de imigrantes, Rui Moreira diz que é necessário olhar para o lado humano, mas volta a vincar algum "autoritarismo" na forma como se fizeram as coisas, nomeadamente a transferência, que ocorreu com recurso a escolta policial.

Foi tudo feito com um estilo truculento de parte a parte", diz, lembrando uma altura de "demagogias e populismos".

O comentador diz que, "com bom senso", as coisas poderiam ter sido feitas de forma diferente.

Questionado sobre de quem é a culpa de todo este caso, Rui Moreira diz que falharam as autoridades locais, nacionais, e até europeias, lembrando que os mesmos problemas existem em Espanha.