No comentário semanal na 21.ª hora, Manuela Ferreira Leite deixou muitas críticas a Mário Centeno pelo facto de ter dito que não ia mexer em 600 milhões de euros do Orçamento do Estado para 2019.

Se fosse deputada não votava no Orçamento. Recusava a votar semelhante documento porque não estou a conhecer aquilo que sou chamada a votar, sem nenhuma transparência. Mário Centeno diz que tem ali 600 milhões que não são para gastar. A Assembleia da República devia decidir se se deve gastar ou não. Será que o país não está carente de 600 milhões de euros? Os deputados afinal de conta vão votar a favor de maior despesa para colmatar deficiências que existem, na saúde, na segurança, ou aquilo que nos dá de comer são 0,2% do défice? Isto é bastante útil para o Ministro Centeno porque faz brilharete no grupo que preside."

 Para a comentadora, o Governo está a deitar-se na "cama que fez".

Governo está a deitar-se na cama que fez porque anunciam certas coisas, aprovam e fazem propaganda com as leis, dando a sensação que resolveram os problemas. Deviam ser mais prudentes e responsáveis porque criam expetativas, mas pior é que neste momento é uma verdadeira cassete o que dizem os membros do governo, défice histórico, desemprego baixíssimo como nunca e crescimento económico. Tudo a nível histórico." 

Centeno não saiu da mira de comentadora, em específico uma frase que deu numa entrevista.

O ministro das Finanças teve uma frase infeliz quando diz que o desemprego e o défice vestem Prada. Para mim isso é sintoma de luxo e cara. Se realmente estamos ao nível do luxo, então é natural que cada um de nós pense que temos direito a um bocadinho de luxo, sobretudo as pessoas menos bem remuneradas."

Manuela Ferreira Leite defende o Orçamento retificativo porque "é uma forma de gerir o orçamento ao longo do ano" e diz que o Governo o tem, mas de forma encapotada.

E será possível o Governo conseguir um superávite?

Se tiverem superhábit com a educação, segurança e saúde no estado em que estão seria uma fraude. Era dizer aos portugueses que estamos tão bons e não temos nada para comer. O Ministro tem a ideia de que se mata para cumprir o défice. Acertar no défice ou nas contas não dá de comer a ninguém. Façam muitas destas, dos 600 milhões que não tencionam gastar, que vão ter muitos protestos."

A comentadora conclui o tema dizendo que será difícil Marcelo vetar o Orlamento porque não há nada inconstitucional e salienta: "Se gastar os 600 milhões, o défice não é 0,2%."


"Que alterações na lei do arrendamento não apareçam no OE2019 tipo cavalo de tróia"


Manuela Ferreira Leite falou também sobre a lei do arrendamento que tem dado muita polémica.

Ninguém chega a acordo com as alterações na lei do arrendamento. A lei do arrendamento não está a ser pacífica entre partidos. O que eu espero é que não se meta no OE2019 porque não tem nada de estar. O Orçamento é algo anual. Que não apareça tipo cavalo de tróia no OE2019."

 

Sobre as reformas antecipadas, a comentadora não se alongou mas criticou o ministro do trabalho.

Fiquei ainda mais perplexa com as declarações do Ministro Vieira da Silva. Depois de se ter visto a reação entre as pessoas, gostava de saber o que mudou para que numa semana ele tenha virado o assunto e tudo deixou de ter a ver com a sustentabilidade da Segurança Social. Não estava no Orçamento, mas ele tinha anunciado e depois chutou o assunto mais lá para a frente."

Manuela Ferreira Leite