«Onde acho que não esteve bem, não foi do facto de não querer ir ao Parlamento, foi de ter parecido para opinião pública que nunca falou no caso BES. Nunca falou em pormenores, mas falou no caso»












Passos Coelho como António Costa «disparataram»

«Não há paciência»

confronto mais político do que jurídico

ministro da Educação «quase gozou» com os erros

«em parte tem alguma razão»