No espaço de comentário "Global" desta semana, Paulo Portas começou por analisar os desafios que Ursula von der Leyen enfrenta para se tornar presidente da Comissão Europeia, uma vez que a votação ocorrerá esta semana.

Esta candidata não quis estar debaixo de fogo durante tanto tempo, mas o prognóstico é reservado”, começou por dizer o comentador da TVI, que assegurou que a candidata à presidência da Comissão Europeia necessita de uma maioria absoluta, ou seja, 374 votos, para assumir o cargo, mas que “está no meio de uma tripla guerra”.

Já no Reino Unido, a decisão sobre o próximo primeiro-ministro do país pode ser mais rápida do que a própria constituição dos órgãos europeus. Boris Johnson continua na liderança, numa altura em que já votaram 70% dos militantes do Partido Conservador.

Contudo, Paulo Portas sublinhou que “com este parlamento do Reino Unido não há maioria nem a favor nem contra o Brexit”.

Na Europa há ainda outro conflito, que envolve a Turquia - membro da NATO - que decidiu comprar um sistema antimísseis muito mais eficaz que o dos norte-americanos aos russos. Contudo, esta decisão pode custar-lhe "consequências pesadas".

No espaço “Global” houve ainda tempo para assinalar os 50 anos da chegada do Homem à Lua, que se deu em julho de 1969. O comentador da TVI expressou a sua admiração pelo feito norte-americano, que conseguiu juntar várias entidades para atingir este marco histórico na Ciência.

Também dos EUA e ligadas à tecnologia, chegam notícias de uma “multa muito pesada” que terá de ser paga por Mark Zuckerberg – de 5 mil milhões de dólares – e que foi passada pela Comissão Federal de Comércio. Apesar do negócio do magnata das redes sociais continuar a lucrar muito, Paulo Portas garantiu que as atuais medidas encetadas pelo governo norte-americano vão “apertar muito a vida de pessoas como Zuckerberg”.

Por fim, houve também tempo para referir que a “Google confessou que 0,2% das conversas com a assistência virtual são escutadas não por robôs, mas por seres-humanos”, para melhorarem os perfis dos consumidores e contribuírem para a publicidade dirigida.