O atual presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, decidiu incluir os nomes de António Costa e Fernando Medina na comissão de honra de uma nova candidatura à presidência de um clube, numa situação que gerou muita polémica por causa dos cargos políticos de primeiro-ministro e presidente da Câmara Municipal de Lisboa, mas também pela associação das figuras a alguém que é suspeito em vários processos judiciais.

Se António Costa já disse não ver problemas na questão, Fernando Medina lembrou que esta não é a primeira vez que ambos fazem parte da comissão de honra de Luís Filipe Vieira, algo que também aconteceu em 2016.

Não vejo qualquer tipo de incompatibilidade", sublinhou.

O autarca de Lisboa disse que  não vê este como um tema político, mas algo do foro da vida em sociedade, que "não tem qualquer influência na capacidade institucional ou no exercício de funções".

Nunca escondi que era do Benfica", referiu.

Fernando Medina reitera que, mesmo sendo adepto dos encarnados, isso nunca toldou a sua atuação, que sempre se pautou pela isenção.

Há uma coisa que muda, que é a perceção das pessoas e a apreciação de alguns relativamente a uma candidatura", acrescentou.

PS não vai apresentar candidato

Esta semana foram conhecidos três candidatos presidenciais (Marisa Matias, do Bloco de Esquerda, Ana Gomes, do PS e João Ferreira, do PCP). No seu comentário semanal, Fernando Medina analisou estes nomes, deixando elogios ao nome apontado pelos comunistas, ainda que ressalvando que têm "ideias diferentes".

Sobre o nome escolhido pelo Bloco de Esquerda, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa destacou a capacidade de "fazer pontes e alargar" uma governação mais à esquerda.

O terceiro nome é o de Ana Gomes, antiga eurodeputada e filiada no Partido Socialista (PS), mas que, até ao momento, ainda não foi apoiada oficialmente pelo partido, que é o mesmo de Fernando Medina. Para o autarca trata-se de uma "candidata apartidária", e faz essa distinção em relação aos outros dois nomes.

Questionado sobre a sua intenção de voto, Fernando Medina mantém o que já vem dizendo há uns meses, e afirma que vai apoiar o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, um candidato que tem um histórico no PSD e não no PS.

Falta uma candidatura que é a que está melhor posicionada", disse, referindo-se a Marcelo Rebelo de Sousa.

Relativamente à possibilidade de o PS ter um candidato próprio, Fernando Medina recusa esse cenário, e diz que é uma tradição do partido que assim seja: "No PS há uma tradição de não ter um candidato oficial".