Miguel Sousa Tavares criticou, esta segunda-feira, no Jornal das 8, a atuação do Governo no acordo alcançado com os acionistas privados da TAP.

"Temos a TAP. (..) Antevemos que 1200 milhões não vão chegar e, por outro lado, não antever qualquer saída estratégica para que se consiga simultaneamente fazer da TAP uma empresa razoável, rentável do ponto vista financeiro, que não perca dinheiro pelo menos e simultaneamente uma empresa de bandeira como querem para garantir a atual empresa estratégica que justificou o investimento do Estado", afirmou.

Para o comentador, neste momento, "a TAP como ela existe para ser rentável não pode ser companhia de bandeira e se é uma companhia de bandeira não pode ser rentável". 

Miguel Sousa Tavares vai mais longe e diz mesmo que a TAP é um "dossiê que não tem hipóteses de correr bem".

"Ao contrário do que hoje diz, com grande otimismo, na entrevista ao Jornal de Negócios, o ministro Pedro Nuno Santos, eu não acho que o senhor Neelman, apesar de sair daqui com 55 milhões de euros que nós lhe damos, vai ficar com o espírito desportivo tão um grande negócio da Azul com a TAP nos Estados Unidos. Eu acho que o ministro está a tomar os seus desejos por realidade isso não vai acontecer e, muito provavelmente, a TAP vai perder o negócio com os EUA que hoje em dia é dos mais rentáveis que tinha. Portanto, esse é um dossiê que não vai correr bem. Não tem hipóteses de correr bem. Infelizmente, não tem hipóteses de correr bem".

"A EFACEC só encontrou como investidor Isabel dos Santos?"

Relativamente à nacionalização da Efacec, o comentador da TVI não entende como uma empresa que exporta para cerca de 95 países só encontra como investidor o Estado português.

"A EFACEC para mim, sendo menor o investimento do Estado (250 milhões de euros) ainda fico mais perplexo porque a EFACEC também acaba por ser uma empresa estratégica segundo o ministro da Economia. E não pondo em causa os 100 anos que a EFACEC tem importância que tem e a qualidade que tem, o que eu ponho em causa é o seguinte: uma empresa que exporta para 75 países, que exportam 90% da sua produção, que é de tecnologia de ponta, que é um marco engenharia nacional etc. … só encontra como investidor Isabel dos Santos?"

Miguel Sousa Tavares diz ainda que espera "que apareça um investidor e rápido senão é mais um buraco".

"Na altura, já era de olhar de soslaio e reservas e depois  Isabel dos Santos sai pelas circunstâncias que sabemos e não aparece ninguém? Os acionistas privados que lá estão não se chegam à frente?  A banca não empresta dinheiro? Os cinco ou seis compradores que dizem que já existem não se chegam à frente? E o único comprador é o Estado, em nome dos contribuintes? Não há mais ninguém para pagar nesta empresa?"

Miguel Sousa Tavares / AM