O Governo está a preparar uma bazuca específica para o turismo, no valor de 6,9 mil milhões de euros, anunciou Paulo Portas, esta noite, no Jornal das 8, no seu espaço de comentário e análise "Global".

O Governo está a preparar com os parceiros sociais uma bazuca específica para o turismo. E não se pense que é pouco dinheiro. Na versão que o Governo tem conversado com os parceiros sociais são 6,9 mil milhões de euros, é quase metade da bazuca [europeia] para Portugal", indicou.

Paulo Portas assumiu ser "a favor de um plano específico para o turismo e para a restauração", porque, sublinhou, "esta pandemia é assimétrica e quem foi mais prejudicado e abatido foram estes dois setores, que têm na economia portuguesa uma importância enorme".

Segundo o comentador da TVI, esta ajuda destina-se "a todos os CAE [Classificação das Atividades Económicas]", ou seja, turismo, restauração, agências de viagens, animação turística, rent-a-car, etc.

Tem medidas de curto prazo e de longo prazo. As de curto prazo são, basicamente, de reestruturação de dívida, de empresas que estejam aflitas por essa dívida. O Banco Português de Fomento terá 4.575 milhões de euros e vai ter uma intervenção na questão da recapitalização deste setor. Mas se vão buscar mais dinheiro ao PRR [Plano de Recuperação e Resiliência] que Portugal não usou ou se vai aos mercados, logo veremos", antecipou, ainda.

Ainda sobre esta matéria, Paulo Portas considerou que a previsão de recuperação do turismo "pode ser excessivamente otimista", até porque "é preciso ter o aeroporto de substituição", no entanto não tem dúvidas sobre a importância deste plano específico para o setor.
 

Redação / CM