Jan Chapman, uma produtora australiana de filmes viu a sua fotografia ser, erradamente, associada ao nome da sua amiga Janet Patterson, que morreu em outubro do ano passado. Patterson trabalhava na área de Guarda Roupa. Em resposta à revista norte-americana Variety ela explicou o que sentiu através de um email:

“Fique devastada por ver a minha fotografia em vez da imagem da minha grande amiga e colaboradora Janet Patterson. Eu pedi à agência dela para verificar as fotografias que poderiam ser usadas e responderam-me que a Academia tinha garantido ter tudo tratado. Janet tinha uma grande beleza e já tinha sido nomeada quatro vezes para os óscares. É muito triste que não tenham dado conta do erro. Eu estou viva, bem e sou uma produtora no ativo”

Todos os anos, a Academia produz um vídeo em memória das personalidades, ligadas à indústria cinematográfica que perderam a vida no ano anterior à respetiva edição. Este ano não foi exceção. Mas, desta vez, havia um erro.

Veja aqui o vídeo da edição dos Óscares de 2017:

E não foi o único engano da noite de Óscares. No momento mais aguardado pela plateia do Dolby Theater, em Los Angeles, e pelos milhões de espetadores que assistiam à cerimónia no mundo inteiro, fez-se história pelos piores motivos.

Warren Beatty tinha o envelope que anunciava o Melhor Filme. Abriu-o, leu o que dizia, hesitou e passou a palavra a Faye Dunaway, que anunciou o vencedor como sendo "La La Land". E depressa a equipa de Damien Chazelle subiu ao palco para agradecer a estatueta mais desejada da noite.

Mas, afinal, o vencedor era outro: "Moonlight".
 

Patrícia Pires