P.S. (Para Seguir) é um espaço assinado pelo jornalista Nuno Travassos, que pretende destacar jogadores até aos 21 anos. 

Não é difícil perceber o que faz de Charles de Ketelaere o menino-bonito do Club Brugge. Qualquer adepto fica rendido ao conto de fadas do rapaz que concretiza o sonho de jogar pelo clube do coração. Do menino que, em tempos, teve as paredes do quarto forradas com posters dos ídolos, e que agora é um deles. Do jogador que entrou para o clube aos sete anos e que chegou a participar nos jogos da equipa principal como apanha-bolas, mas que agora marca os golos decisivos.

Nascido a 10 de março de 2001, Charles chegou a mostrar talento para o ténis, mas acabou por dedicar-se ao futebol. Fez a estreia pela equipa principal do Club Brugge a 25 de setembro de 2019, no jogo da Taça com o Francs Borains. Menos de um mês depois, ainda sem qualquer jogo disputado na Liga belga, foi surpreendentemente lançado de início na receção ao Paris Saint-Germain, para a “Champions League”.

Utilizado regularmente a partir daí, ainda que maioritariamente a partir do banco, De Ketelaere apontou o primeiro golo a 5 de fevereiro de 2020, e garantiu a presença do Club Brugge na final da Taça da Bélgica (perdida para o Antuérpia).

A estreia a marcar na Liga dos Campeões, ao minuto 90+3 da visita ao Zenit, valeu o triunfo do Club Brugge em São Petersburgo, em outubro de 2020. Na presente temporada consolidou o estatuto de herói dos descontos em duas ocasiões: salvou um ponto na receção ao KAS Euspen, com um golo aos 90+13, e garantiu um triunfo no reduto do Charleroi com um tento aos 90+2.

Embora tenha apenas 20 anos, Charles já leva 87 jogos pelo Club Brugge, nos quais somou 12 assistências e outros tantos golos (há quem não lhe atribua um tento frente ao Mouscron, no final da época passada, e considere autogolo do guarda-redes).

Apesar do nível da seleção belga, líder do ranking da FIFA, De Ketelaere tornou-se internacional em novembro do ano passado, ainda com 19 anos, e agora mais recentemente, ao segundo jogo pelos “diabos vermelhos”, estreou-se a marcar, frente à Itália, no jogo de atribuição do terceiro lugar da Liga das Nações.

Com a qualidade técnica potenciada pela inteligência com que lê o jogo, Charles é um jogador incrivelmente completo. Pode ser ponta de lança, segundo avançado, número 10 ou extremo, mas até lateral esquerdo já foi.  

Um jogador que vive bem na balança do equilíbrio e do desequilíbrio. Do qual tanto se pode esperar rigor posicional como rasgo técnico. Tão perspicaz a explorar o espaço entre linhas como acutilante a atacar a profundidade. Com um pé esquerdo tão apurado a assistir como eficaz a finalizar.

Charles de Ketelaere pode ter vários papéis dentro do mesmo jogo, mas isso até leva a pensar que é como segundo avançado que consegue conciliar melhor os diferentes atributos. A canhota encanta, mas é o cérebro que o distingue. Sabe muito sobre o jogo, apesar de ter apenas 20 anos, e é isso que o torna tão versátil.

O curso de Direito ficou em suspenso, perante a rápida afirmação no futebol profissional, mas o menino-bonito do Club Brugge tem tudo para ser o advogado dos “diabos”.

Nuno Travassos