P.S. (Para Seguir) é um espaço assinado pelo jornalista Nuno Travassos, que pretende destacar jogadores até aos 21 anos. 

Consumada no último dia de mercado, a transferência pode ter passado algo despercebida, mas a chegada de Elias Abouchabaka a Guimarães é mais uma prova de que o Vitória está a valorizar propriamente o departamento de «scouting».

É verdade que o médio alemão tem sentido algumas dificuldades para afirmar-se no futebol profissional, mas o talento está lá, e aos 19 anos ainda merece o benefício da dúvida, sobretudo se for uma boa oportunidade de negócio.

Mas os primeiros passos rumo a essa afirmação têm de ser dados pelo próprio jogador. É que Elias está na lista de potenciais nomes deste «P.S. – Para Seguir» desde 2017, ano em que brilhou sobretudo no Europeu de sub-17, prova em que marcou três golos, mas também depois no Mundial da categoria, com a camisola da Alemanha.

Elias já estava então no Leipzig, mas a verdade é que não chegou a estrear-se pela equipa principal, e acabou por fazer apenas três jogos pela equipa principal do Greuther Furth, clube ao qual esteve emprestado no último ano e meio.

O reforço do Vitória de Guimarães é um puro «10», mesmo quando joga a partir de uma ala. Um jogador de definição no último terço, de último passe, com um pé esquerdo prodigioso.

Mas Elias Abouchabaka não pode ficar acomodado a esta virtude e esperar por aquilo que o jogo dá. Tem de ser mais proativo, assumir protagonismo, encarar de outra forma os momentos em que não tem a bola. Também para ter maior influência no processo defensivo, mas sobretudo para aumentar as probabilidades de receber a bola. Porque depois resta-lhe fazer aquilo que melhor sabe.

Nuno Travassos