Após o jogo contra o Marítimo, o Paços Ferreira anunciou este domingo a saída de Pepa do comando técnico da equipa no final da época.

Através do presidente Paulo Meneses, que se deslocou à sala de imprensa para dar uma conferência, o clube pacense tornou oficial aquilo que já se falava nas notícias.

«Tal como vem sendo habitual nos últimos tempos, entendo que é aqui que se formaliza a união entre as equipas técnicas. Para não alimentarmos o que possa ser um tabu, eu e a equipa técnica acertámos há alguns dias que havia timing para as coisas serem comunicadas», começou por dizer Paulo Meneses.

«Decidimos fazê-lo hoje independentemente do resultado, e decidimos comunicar que o clube apresentou uma proposta de renovação à equipa técnica e conversamos várias vezes. Entendemos que o vínculo devia terminar com a mesma elevação com que foi contratado e que o caminho acabe aqui.»

O dirigente dos castores lembrou que esta união foi consumada a 2 de setembro de 2019. Na altura, Pepa rendeu Filó no comando técnico do clube.

«Nunca me vou esquecer do dia 2 de setembro de 2019, o dia em que tive o prazer de contratar esta equipa técnica. Não tinha a certeza de que tinha contratado uma das melhores equipas técnicas que o Paços já teve tanto a nível técnico como humano. Agradeço publicamente tudo o que foi feito por esta equipa técnica depois de uma decisão, que foi a primeira chicotada da época em curso. O tempo provou que foi a decisão mais acertada que poderia ter tido. Um obrigado de coração ao mister. Desejo-lhe a maior sorte do mundo. Se continuarem em Portugal, desejo que percam dois jogos em campo época e ambos contra o Paços. O sentimento será recíproco. Não tenho dúvidas de que vamos torcer uns pelos outros», disse ainda.

De seguida, Paulo Meneses lembrou Vítor Oliveira, técnico que devolveu os castores à Liga após a descida de divisão.

«Não porque fica bem, mas gostaria de invocar uma pessoa que criou as bases para isto: o saudoso mister Vítor Oliveira. Sinto, de coração, que foi com ele que tudo começou. Pepa, foste um digno sucessor desse grande homem e treinador e esta foi a maior homenagem que lhe poderíamos prestar. Acho que foi ele quem criou as bases para todos. Portanto, o meu agradecimento para a vida. Vocês [equipa técnica] vão partir, mas ficam cá. Para o ano vamos comemorar e partilhar momentos que são únicos e que fazem do Paços um clube tão sui generis. Os clubes são feitos de pessoas», concluiu. 

Pepa tomou a palavra a seguir e agradeceu o tempo em que esteve ao serviço do emblema da Capital do Móvel. 

«A palavra que fica é gratidão. Fica a amizade também e gratidão por tudo o que nos foi dado», referiu.

Recorde-se que, como o Maisfutebol já noticiou, Pepa tem um acordo bem encaminhado para ser o treinador do V. Guimarães na próxima temporada.

Vítor Maia / Estádio Capital do Móvel, Paços de Ferreira