O primeiro-ministro português, António Costa, disse este sábado que já felicitou Mariano Rajoy pela sua recondução como presidente do Governo de Espanha e anunciou que tem uma visita de trabalho a Madrid marcada para 14 de novembro.

Numa conferência de imprensa conjunta com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, durante a 25.ª Cimeira Ibero-Americana, em Cartagena das Índias, na Colômbia, o primeiro-ministro referiu que os dois felicitaram pessoalmente o rei de Espanha, Felipe VI, pela investidura de Mariano Rajoy.

Já tive a possibilidade de enviar uma mensagem ao presidente Mariano Rajoy, felicitando-o pela sua eleição. E está já, aliás, marcada uma visita minha de trabalho para o próximo dia 14 a Madrid, de forma a retomarmos a normalidade das relações entre os dois governos da Península Ibérica", acrescentou António Costa.

O presidente do PSD também felicitou este sábado Mariano Rajoy pela investidura como presidente do Governo espanhol, enaltecendo a "mestria política e determinação" e destacando que "Espanha afastou a incerteza maior e recusou um caminho de radicalização, intolerância e empobrecimento".

Numa nota enviada à agência Lusa, o PSD refere que com a investidura do conservador Mariano Rajoy do Partido Popular como presidente do Governo pelo parlamento espanhol "assim termina um ano político cheio de dificuldades que Mariano Rajoy soube enfrentar com grande mestria política e determinação", adiantando que "Pedro Passos Coelho já felicitou Mariano Rajoy pela investidura".

Hoje estamos mais tranquilos por ver que Espanha afastou a incerteza maior e recusou um caminho de radicalização, intolerância e empobrecimento que seriam imerecidos para os espanhóis e que teriam gerado consequências negativas para o projeto europeu e para Portugal", sublinha.

Para o PSD, "o Presidente do governo espanhol também está de parabéns por ver reconhecido o esforço político importante que desenvolveu para trazer mais confiança e mais crescimento a Espanha".

O conservador Mariano Rajoy do Partido Popular foi hoje, em Madrid, investido presidente do Governo pelo parlamento espanhol depois do PSOE ter decidido abster-se para evitar a realização de novas eleições que deveriam penalizar os socialistas.

O chefe do atual Governo de gestão teve o apoio dos deputados do Partido Popular (PP, direita), do Cidadãos (centro) e da Coligação Canárias (regional), tendo votado contra a coligação Unidos Podemos (extrema-esquerda) e todos os partidos regionais, nacionalistas e independentistas.

Apesar da orientação dada no sentido da abstenção, um número reduzido de deputados socialistas não respeitou a disciplina de voto e voltou a votar hoje contra a investidura de Rajoy, não se sabendo ainda se serão sancionados pela direção do partido.

Manuel Alegre saúda “coerência política e ética” de Pedro Sánchez

O dirigente "histórico" socialista Manuel Alegre saudou hoje a "coerência política e ética" do ex-líder do PSOE Pedro Sánchez, que renunciou ao lugar de deputado para não viabilizar a eleição de Mariano Rajoy como primeiro-ministro espanhol.

Como militante histórico do PS quero saudar a coerência política e ética do ex-secretário-geral do PSOE Pedro Sánchez, que manteve-se fiel à sua posição e aos eleitores e militantes que nele confiaram. Pedro Sánchez renunciou ao seu estatuto de deputado para não ter de cumprir uma linha política de abstenção imposta pela atual direção provisória do PSOE", declarou Manuel Alegre à agência Lusa.

De acordo com o ex-candidato presidencial e ex-membro do Conselho de Estado, a decisão tomada por Pedro Sánchez "é um ato raro e corajoso".

"A meu ver, com esse ato, é ele [Pedro Sánchez] que está a dar uma mensagem de confiança ao povo socialista espanhol. Deixo-lhe por isso as minhas felicitações e um abraço de solidariedade", acrescentou Manuel Alegre.