O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, considerou «infundados» os receios de uma desagregação da Zona Euro devido à crise financeira que está a pôr à prova o Pacto de Estabilidade e de Crescimento, avança a agência Lusa.

«Todas as moedas do mundo estão sob pressão face às turbulências financeiras actuais», declarou esta quarta-feira na audição regular perante a comissão dos Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu.

«O euro e a Zona Euro mostraram, pelo contrário, uma capacidade de resistência face à crise», acrescentou, repetindo que a moeda única «funcionou como uma protecção» para os cidadãos dos países com a moeda única.

As considerações sobre uma eventual desintegração da zona euro «parecem-me infundadas», declarou Trichet, que alertou novamente contra uma derrapagem descontrolada das finanças públicas no seguimento dos vários planos de relançamento económico implementados pelos países do euro para lutar contra a recessão.

Situação económica pede prudência

«A situação económica actual pede uma particular prudência no que respeita à adopção de vastas medidas orçamentais de relançamento» para apoiar a conjuntura, disse.

As medidas de relançamento orçamental, como as baixas de impostos e o aumento do endividamento dos Estados que implicam, não devem «em caso algum correr o risco de minar a confiança na viabilidade das finanças públicas, o que teria por consequência diminuir a eficiência de uma relançamento orçamental».

A reputação orçamental de certos Estados europeus começa a diminuir nos mercados financeiros.

As notações de dois países da moeda única, a Espanha e a Grécia, já foram revistas em baixa pela agência de rating Standard and Poor`s, que equacionou também a possibilidade para Portugal e a Irlanda.
Redação / JF