As “buscas prioritárias” para encontrar o pescador que alegadamente desapareceu de uma embarcação ao largo de Sines, Setúbal, na quarta-feira, terminaram esta sexta-feira, sem que o corpo tenha sido encontrado, disse à agência Lusa fonte da Polícia Marítima.

O comandante da Polícia Marítima e capitão do Porto de Sines, Rui Filipe, indicou que as buscas enquanto “missão prioritária” foram dadas como terminadas às 17:15.

Rui Filipe adiantou que as “buscas vão continuar, não como missão prioritária”, com uma “atenção especial”, com algum patrulhamento e “redução de meios”.

“Foi concluído um período de dois dias e meio de buscas intensas e a partir de sábado vão continuar a ser feitas buscas apenas por terra, junto à orla costeira”, acrescentou.

Segundo o comandante da Polícia Marítima, que coordena as operações, estiveram esta sexta-feira envolvidos nas buscas meios da Capitania do Porto de Sines e do comando local da Polícia Marítima, nomeadamente uma embarcação e uma moto de água de salvamento da Estação Salva-Vidas de Sines e uma embarcação da Polícia Marítima.

Em terra, esteve também uma moto-quatro da Polícia Marítima.

O alerta para o desaparecimento do homem, de 82 anos, foi dado por pescadores, às 14:15 de quarta-feira, e as buscas foram de imediato encetadas, divulgou a Autoridade Marítima Nacional.

O pescador terá desaparecido enquanto praticava a atividade de pesca a bordo da embarcação, a cerca de nove quilómetros do cabo de Sines.

De acordo com o comandante da Polícia Marítima, na quarta-feira, “a embarcação foi encontrada sem ninguém a bordo, ainda com o motor a trabalhar”.

O homem, residente em Sines, foi pescador profissional e dedicava-se agora à pesca lúdica, sendo considerado experiente nesta arte, revelou.

A embarcação de pesca foi recolhida pela Polícia Marítima de Sines e “encontra-se atracada no cais de pesca” do Porto de Sines.

O Gabinete de Psicologia da Polícia Marítima encontra-se a prestar apoio aos familiares da vítima.

/ BCE