O Produto Interno Bruto (PIB) registou uma taxa de variação homóloga de 1,8% (taxa idêntica à do trimestre anterior). Um dado que confirma a estimativa rápida de há duas semanas.

O contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB diminuiu para 2,4 p.p. devido principalmente à desaceleração do investimento. A procura externa líquida apresentou um contributo menos negativo, de -0,6 p.p., em resultado da desaceleração mais intensa das importações de bens e serviços relativamente à das exportações de bens e serviços", disse o Instituto Nacional de Estatística (INE) em comunicado.

Em comparação com o primeiro trimestre de 2019, o PIB aumentou 0,5% em termos reais, mantendo a taxa verificada no trimestre anterior. "O contributo da procura interna para a taxa de variação em cadeia do PIB, que tinha sido positivo no primeiro trimestre, passou a negativo, enquanto o contributo da procura externa líquida foi positivo no segundo trimestre, após ter sido negativo no trimestre precedente", acrescenta.

Mesmo assim, e de acordo com os dados hoje apresentados, desde 2010 que a procura interna não crescia tanto. 

De referir que a última projeção do Governo para o conjunto de 2019 no que toca ao PIB é de 1,9%, acima de qualquer outra.