A Grécia vai sair da recessão em 2013, mas o crescimento do produto interno bruto (PIB) grego vai ser globalmente nulo nesse ano, de acordo com as novas previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI).

No dia em que aprovou um novo empréstimo de 28.000 milhões de euros à Grécia, o FMI publicou hoje também as suas previsões económicas para o país, revistas em forte queda face a dezembro.

A instituição prevê agora uma queda do PIB de 4,8 por cento em 2012, enquanto em dezembro apontava para uma contração de três por cento este ano e um crescimento da ordem dos 0,3 por cento em 2013.

As novas previsões do FMI integram um comunicado publicado após o conselho de administração ter dado luz verde a um novo programa de assistência financeira a Atenas, com uma duração de quatro anos e no montante de 28.000 milhões de euros.

O programa permite a libertação imediata de 1.650 milhões de euros a favor da Grécia. Tendo em conta a quota de apenas 2,159 por cento do país no Fundo, o programa permite um "acesso excecional aos recursos do FMI", sublinha a instituição liderada por Christine Lagarde.

Depois das explosões de cólera popular que acompanharam a adoção da mais dura austeridade na Grécia, o Fundo considera que o novo programa acordado entre Atenas e os credores públicos do país tem como objetivo «impulsionar a competitividade e o crescimento, restabelecer as finanças públicas viáveis e restaurar a estabilidade financeira».

«As autoridades reajustaram a estratégia do seu programa para dar prioridade à adoção de reformas estruturais destinadas a acelerar o crescimento da economia e do emprego», lê-se ainda na nota.
Redação / JF