O PCP usou, esta sexta-feira, por quatro vezes, a acusação de “calculismo eleitoral” para qualificar a criação de um ambiente de crise pelo Governo em torno da contabilização total do tempo de serviço dos professores.

Só o calculismo eleitoral pode justificar que o Governo utilize a reposição de um direito consagrado nos orçamentos do Estado de 2017 e 2018 como pretexto para abrir um clima de crise e tentar impor retrocessos”, afirmou o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, numa conferência de imprensa, na Assembleia da República, em Lisboa.

Ao longo da conferência de imprensa, João Oliveira utilizou quatro vezes o termo “calculismo eleitoral” para acusar o Governo e sublinhou que as propostas aprovadas na quarta-feira, no parlamento, “não têm qualquer impacto orçamental em 2019”.