O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, ofereceu a solidariedade e o apoio de Portugal a Timor-Leste, onde as cheias causaram já 11 mortos, mas sem registo de qualquer dano pessoal entre a comunidade portuguesa.

Em declarações à agência Lusa, Augusto Santos Silva disse que falou hoje com o embaixador de Portugal em Díli e com a ministra dos Negócios Estrangeiros timorense, os quais lhe transmitiram que “as inundações são violentíssimas”.

Ambos disseram que nunca nas respetivas vidas tinham visto chover com esta intensidade e violência”, adiantou.

Augusto Santos Silva lamentou “profundamente” as mortes registadas na população de Timor-Leste, a quem exprimiu a solidariedade de Portugal.

Há registo de muitos danos materiais, não há registo de nenhum dano pessoal entre a comunidade portuguesa. De qualquer forma, ainda é preciso apurar os danos materiais”, sublinhou.

Os danos materiais são, segundo o ministro, “muito evidentes e visíveis em Timor-Leste”.

Ofereci a solidariedade portuguesa e o apoio português às autoridades de Timor-Leste durante a minha conversa com a ministra dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste e trabalharemos para esse fim nos próximos dias.”

A ajuda de Portugal deverá passar pelo programa de cooperação que Portugal tem com Timor-Leste.

Já pedi aos serviços para estarem alerta, porque certamente nos próximos dias haverá pedidos de apoio, alguns de emergência, outros de reconstrução. Vamos esperar agora”, antecipou.

As cheias que atingiram hoje grande parte da cidade de Díli causaram já 11 mortos, segundo um balanço provisório da Proteção Civil.

Responsáveis do governo e das várias estruturas de emergência estiveram reunidos de urgência no Centro Integrado de Gestão de Crise (CIGC) para analisar os danos causados pelas cheias, que arrastaram casas, destruíram estradas e várias outras estruturas.

Entre as prioridades definidas nessa reunião alargada liderada pelo CIGC está o apoio à evacuação das zonas mais afetadas e ao realojamento de centenas de famílias afetadas pelas inundações em vários pontos da cidade.

Nos últimos dias, os serviços meteorológicos tinham alertado para o risco de chuva forte em várias zonas do país, com destaque para a costa Norte, devido aos efeitos de um sistema de baixa pressão, localizado sobre a parte ocidental da ilha de Timor.

As chuvas intensas já tinham causado problemas em vários municípios do país nos últimos dias, com relatos de casas destruídas e outras infraestruturas afetadas, incluindo estradas e pontes.

Costa diz acompanhar "com consternação" perda de vidas e destruição

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje acompanhar consternado a perda de vidas e destruição devido às cheias em Timor-Leste, afirmando que Portugal está "solidário como sempre" com aquele país e quer apoiá-lo.

Acompanho, com consternação, os relatos da perda de vidas e da destruição provocadas pelas cheias em Timor-Leste. Portugal está solidário com o povo timorense, como sempre, e apoiará os esforços para fazer face à devastação", escreveu chefe de Governo na rede social Twitter.

Nações Unidas apoiam Timor-Leste na ajuda de emergência

As Nações Unidas manifestaram hoje apoio ao Governo de Timor-Leste na coordenação de uma resposta de emergência às inundações registadas no país, que provocaram pelo menos 11 mortos, anunciou o coordenador da organização em Díli.

Em comunicado, Roy Trivedy disse que as agências da ONU em Timor-Leste entregarão bens de socorro à Proteção Civil timorense na segunda-feira.

Estamos a avaliar a situação com muito cuidado. A equipa da ONU no país e os parceiros humanitários estão empenhados em apoiar a resposta nacional, e todas as medidas de emergência possíveis”, afirmou Roy Trivedy.

No comunicado divulgado ao fim do dia em Díli (+8 horas do que em Lisboa), Trivedy afirma que as Nações Unidas “estão profundamente tristes com a perda de vidas e infraestruturas” causadas pela catástrofe natural, que considera como a mais grave dos últimos anos.

Esta inundação também afetou muitos funcionários e famílias da ONU. Em nome da equipa da ONU no país, expresso as minhas sinceras condolências às pessoas afetadas”, acrescentou.

/ CM