O primeiro-ministro, António Costa, vários membros do seu executivo e dirigentes socialistas vão apresentar o programa do Governo aos militantes do PS, sessões que vão decorrer em todas as federações deste partido entre sexta e segunda-feira.

António Costa fará a apresentação do programa do Governo na sexta-feira, pelas 21:00, em Lisboa, no mesmo dia em que os ministros de Estado e das Finanças, Mário Centeno, e Augusto Santos Silva, falarão respetivamente perante militantes socialistas da Moita (Setúbal) e Santo Tirso (Porto).

Também na sexta-feira, estão previstas sessões em Ovar (Aveiro) com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita; em Ourique (Beja) com o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues; em Bragança com o secretário de Estado da Ciência e Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira; em Castelo Branco com o secretário de Estado para a Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, em Évora com o secretário de Estado Adjunto; e na Marinha Grande (Leiria) com a líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes.

Ainda nesta sexta-feira, a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, encontra-se com militantes socialistas de Portalegre, a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, estará em Ferreira do Zêzere (Castelo Branco), o titular da pasta do Planeamento reúne-se com militantes do PS em Vila Nova de Cerveira (Viana do Castelo) e a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, estará em Viseu.

No sábado, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, terá a sessão plenária em Braga, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, estará em Torres Vedras (Oeste) e o secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, João Paulo Catarina, na Guarda.

Em Faro, também no sábado, a sessão terá uma apresentação conjunta de três secretários de Estado: Jamila Madeira (Saúde), José Apolinário (Pescas) e Jorge Botelho (Descentralização). Ainda neste dia, o secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro, reúne-se com militantes de Vila Real.

A última sessão deste ciclo de apresentações do programa do Governo realiza-se em Coimbra, na segunda-feira, com a presença do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

O programa do XXII Governo Constitucional foi debatido na quarta e na quinta-feira da semana passada na Assembleia da República e passou sem que algum grupo parlamentar tenha apresentado uma moção de rejeição ao documento.

No entanto, no encerramento do debate, tanto a líder da bancada socialista, Ana Catarina Mendes, como o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, apesar de terem defendido a continuidade de uma solução política à esquerda, deixaram vários avisos aos parceiros do PS na última legislatura: Bloco de Esquerda, PCP e PEV.

A líder parlamentar do PS considerou que os eleitores pediram para manter uma solução política à esquerda com estabilidade, numa intervenção em que também admitiu acordos com o PSD em matérias europeias e de regime.

Já o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros defendeu que convergir não significa diluir diferenças, mas advertiu que a eventualidade de "coligações negativas", juntando direita e forças à esquerda do PS, representaria "uma traição ao eleitorado".

"O aviso é que, nesta composição parlamentar, só é possível retirar as condições básicas de governação ao Governo através da constituição de uma coligação negativa e contranatura entre o centro-direita e a direita e todas as forças à esquerda do PS. E todos sabemos, na maioria parlamentar, que isso seria uma traição ao nosso eleitorado", declarou Augusto Santos Silva.