O presidente da Câmara de Odemira (distrito de Beja) disse ter pedido ao primeiro-ministro, na quarta-feira, o levantamento da cerca sanitária aplicada em duas freguesias do concelho, por se verificar um decréscimo acentuado de casos ativos de covid-19.

Ontem a Câmara consensualizou que fosse remetido ao senhor primeiro-ministro uma proposta a pedir que ponderem o eventual levantamento da cerca sanitárias e a explicar o contexto em que estamos”, indicou José Alberto Guerreiro em conferência de imprensa nos Paços do Concelho de Odemira.

Segundo o autarca, o documento enviado na quarta-feira ao Governo está alicerçado em três aspetos fundamentais: a descida muito acentuada de casos ativos de covid-19, o considerável decréscimo de infeções nas freguesias sob cerca sanitária, e o sofrimento e as dificuldades das populações locais na gestão das suas vidas e das atividades económicas.

José Alberto Guerreiro indicou que o número de casos ativos no concelho desceu para cerca de metade em relação ao momento em que foi decidida a cerca: São Teotónio está agora nos 819 casos por 100 mil habitantes (contra os anteriores 1.900 casos) e Longueira-Almograve está abaixo dos 120 casos/100 mil habitantes (número que leva à decisão de confinamento ou não numa área), quando antes tinha 510.

Apelámos ao Governo para que ponderasse bem, face à realidade do território, à consciência cívica que se vive nas duas freguesias e face ao assumir de responsabilidades por todas as entidades envolvidas”, frisou.

Para o autarca, “há um contexto que o Governo deve ter em ponderação, sabendo que as autoridades de saúde têm uma avaliação muito cautelosa nesta matéria”.

José Alberto Guerreiro adiantou que ainda esta quinta-feira vai fazer chegar ao Governo uma reivindicação para que se inicie com urgência a vacinação de todas as pessoas com mais de 50 anos.

É urgente o processo de proteção das pessoas em Odemira, porque há vacinas disponíveis e capacidade para se proceder à vacinação”, alegou, acrescentando que nos últimos 14 dias foram feitos mais de dois mil testes a cidadãos residentes no concelho, tendo sido concluído o processo de vacinação de pessoas com mais de 60 anos.

As freguesias de Longueira-Almograve e São Teotónio estão em cerca sanitária desde a semana passada por causa da elevada incidência de covid-19 entre os imigrantes que trabalham na agricultura na região.

Na sexta-feira, o Governo determinou "a requisição temporária, por motivos de urgência e de interesse público e nacional”, da “totalidade dos imóveis e dos direitos a eles inerentes” que compõem o complexo turístico ZMar Eco Experience, na freguesia de Longueira-Almograve (Odemira), para alojar pessoas em confinamento obrigatório ou permitir o seu “isolamento profilático”.

O complexo Zmar ocupa 80 hectares na freguesia de Longueira-Almograve, integra serviços comuns, como piscina ou ‘spa’, e cerca de 260 casas individuais, das quais perto de 100 pertencem ao próprio empreendimento e as outras 160 são de privados.

Desde que foi determinada a requisição temporária do Zmar, para alojar pessoas em confinamento obrigatório ou permitir o seu “isolamento profilático”, os proprietários destas casas têm protestado contra a decisão do Governo.

Na quarta-feira, o advogado que representa um grupo de proprietários revelou que interpôs em tribunal uma providência cautelar contra a fundamentação da requisição temporária do complexo turístico.

. / HCL