relatório do Fundo Monetário Internacional

“Leio [este relatório] como um aviso à maioria. Depois do longo romance do PSD/CDS com o FMI, e depois de várias provas de fidelidade do senhor primeiro-ministro ao FMI, quer antes das eleições de 2011, quer depois, parece que o FMI ficou agora surpreendido com o eleitoralismo do Governo e da maioria”, afirmou o deputado socialista e membro do secretariado nacional do PS, João Galamba.








“O FMI não acredita nos números do Governo no défice e acha que o Governo está a ser demasiado otimista e que o défice não ficará abaixo dos 3%. O que é novo neste relatório é a atenção dada à devolução da sobretaxa e aos reembolsos do IVA”, destacou João Galamba.




“O FMI parece agora juntar-se ao coro - à semelhança dos avisos da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) na semana passada e do PS - e não acredita na propaganda eleitoral do Governo”, sublinhou.