O presidente do CDS-PP exigiu, esta sexta-feira, a demissão do ministro da Administração Interna, na sequência da suspensão da requisição civil do Zmar.

"O CDS-PP escandaliza-se com mais um acto de incompetência grosseira de Eduardo Cabrita e exige a sua demissão, por há muito tempo entender não estarem reunidas as condições para que se mantenha em funções", diz, em comunicado.

Francisco Rodrigues dos Santos considera que o Supremo Tribunal Administrativo "dá razão ao que o CDS-PP sempre defendeu" e vai pedir uma audiência ao Presidente da República "para abordar a gravidade deste acontecimento em Odemira". 

“O CDS-PP entende que toda esta situação demonstra total falta de sensibilidade social e competência do Governo. Não é com medidas como a ocupação musculada do ZMar que Portugal consegue ter uma economia forte e de confiança, respeitar as liberdades individuais e oferecer respostas sociais adequadas.”

O partido liderado por Francisco Rodrigues dos Santos defende "uma solução alternativa", que permita assegurar a "dignidade" dos imigrantes, mas "dispensando técnicas de ocupação próprias dos regimes comunistas".

Confrontado «depois pelos jornalistas com estas declarações, Eduardo Cabrita desvalorizou:

Coitado do CDS, é um partido náufrago. Estamos aqui para salvar os portugueses, não podemos ajudar um partido náufrago."

Catarina Pereira