A cidade de Lisboa não vai avançar no processo de desconfinamento do próximo dia 14 de junho por "não ter condições", a notícia foi antecipada por Fernando Medina, esta terça-feira, na TVI24. 

Lisboa está numa situação que não é fácil. O número de casos excedeu o patamar dos 120 [casos por 100 mil habitantes], entrou em situação de alerta. Na última semana, o número de casos por 100 mil habitantes continuou a progredir, embora a um ritmo mais lento, significa que Lisboa amanhã, que é o dia da avaliação, não irá progredir relativamente ao desconfinamento", garantiu no seu espaço de comentário semanal. 

O presidente da Câmara de Lisboa esclareceu, no entanto, que a capital também não vai dar um passo atrás, ou seja, mantém-se na mesma fase.

Lisboa não tem condições de fazer esse avanço", reforçou. 

Medina disse que falta agora perceber se é possível controlar a situação epidemiológica na cidade nas próximas semanas ou se vamos assistir a um agravamento dos números.

Caso se verifique este segundo cenário - e para isso seria preciso que ao longo de duas semanas Lisboa registasse números acima dos 240 casos por 100 mil habitantes - existe o risco de se recuar no desconfinamento.

Nesse sentido, Fernando Medina voltou a apelar às pessoas que mantenham um "bom senso comum", para que não festejem os Santos Populares nas ruas como seria habitual nesta altura do ano. 

LEIA TAMBÉM:

Além de Lisboa, existem mais cinco concelhos em situação de alerta por registarem mais de 120 casos de covid-19 por 100 mil habitantes, nomeadamente Salvaterra de Magos (Santarém), Vale de Cambra (Aveiro), Braga, Cantanhede (Coimbra) e Castelo de Paiva (Aveiro).

De acordo com o boletim epidemiológico desta terça-feira, a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a que tem mais novos casos confirmados, com 348 dos 598 registados no período em análise, o que representa 58,1% do total.

Esta tem sido a tendência nas últimas semanas.

Cláudia Évora