Esta fotografia, em formato postal, destinava-se a servir de propaganda monárquica. Não era um fotografia pontual, era encenada. Estão lá oito pessoas a olhar para a câmara: três peixeiras, quatro monárquicos e um mirone que olha com curiosidade para tudo aquilo. O então pretendente ao trono, Duarte Nuno Fernando Maria Miguel Gabriel Rafael Francisco Xavier Raimundo António, Duque de Bragança e pai do actual pretendente, está ali elegante e rígido, sob o peso do nome, não olhando para ninguém e sem saber muito bem o que fazer. Os dois monárquicos mais velhos, um deles João de Azevedo Coutinho, levaram-no ao largo da Sé para contactar com o “povo” e, como se sabe, não há mais “povo” do que as peixeiras. Duas têm o cabaz de peixe à cabeça, mas  outra deve ter pousado o cabaz e perdido um sapato, e é a pessoa mais viva da foto, olha para as pessoas e não para o fotógrafo e parece divertida. 1942 foi um ano muito duro para os portugueses, entre dificuldades económicas e sociais e o medo de a guerra nos bater à porta. Duarte Nuno era austríaco de nascimento, mas com nacionalidade portuguesa administrativa, não falava bem o português e a lei do banimento ainda não tinha sido extinta. Mas ia casar-se em breve. Duvido que o dissesse às peixeiras.

Veja aqui o programa Ephemera da TVI24

A TVI24 associa-se à biblioteca e arquivo de José Pacheco Pereira, publicando todos os dias uma imagem inédita dos fundos do arquivo, que estão a ser tratados mas ainda não foram publicados. Essa imagem, que pode ser uma fotografia, um panfleto, um documento, a capa de um livro, um objecto, um autocolante, um pin, um cartaz, um vídeo ou uma gravação será acompanhada por um pequeno texto que complementa a informação do EPHEMERA DIÁRIO. 

Quem possa ter mais documentação ou informações sobre a imagem/tema em causa pode enviar para jppereira@gmail.com ou jrreis@tvi.pt.

Pacheco Pereira