O ministro das Finanças, Mário Centeno, vai ser substituído na pasta por João Leão, até então secretário de Estado do Orçamento.

O anúncio foi feito na página da Presidência e num dia em que o Conselho de Ministros vai aprovar o Orçamento Suplementar.

O Presidente da República recebeu do Primeiro-Ministro as propostas de exoneração, a seu pedido, do Ministro de Estado e das Finanças, Professor Doutor Mário Centeno, e de nomeação, em sua substituição, do Professor Doutor João Leão", pode ler-se.

A tomada de posse do novo ministro das Finanças terá lugar na próxima segunda-feira, dia 15 de junho, às 10 horas. 

João Leão é doutorado em Economia pelo Massachusetts Institute of technology (MIT) e integrou a equipa económica de António Costa logo em 2015, tendo feito parte do grupo de economistas que preparou o cenário macroeconómico e que acompanhou o programa eleitoral do PS.

Secretário de Estado do Orçamento desde novembro de 2015, João Leão tem sido responsável pela política orçamental dos governos de António Costa.

Será João Leão que, no próximo dia 17, vai apresentar na Assembleia da República, a proposta do Governo de Orçamento Suplementar, hoje aprovada em Conselho de Ministros.

Fonte do executivo disse à agência Lusa que a substituição de Mário Centeno por João Leão "constitui um garante natural de continuidade dos resultados alcançados pela governação em matéria de finanças públicas".

De acordo com a mesma fonte, o ainda secretário de Estado do Orçamento possui "um sólido conhecimento da economia portuguesa, tendo liderado o Gabinete de Estudos do Ministério da Economia durante cinco anos, durante a vigência de distintos governos".

No plano político, João Leão é considerado próximo do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, de quem foi assessor do secretário de Estado Adjunto da Indústria e do Desenvolvimento entre 2009 e 2010, durante o segundo Governo socialista de José Sócrates.

Centeno cumprirá mandato no Eurogrupo até final, sucessor eleito a 9 de julho

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, esclareceu esta terça-feira que vai cumprir o seu mandato até ao final, embora deixe o Governo na próxima segunda-feira, e dirigirá ainda a eleição para encontrar o seu sucessor, a 9 de julho.

“O meu mandato como presidente do Eurogrupo terminará em 13 de julho de 2020. Na quinta-feira, informarei os meus colegas do Eurogrupo da minha decisão de não concorrer a um segundo mandato, uma vez que em 15 de junho deixarei o do cargo de ministro das Finanças de Portugal”, escreveu Centeno na sua conta oficial na rede social Twitter.

Centeno acrescenta que, também na reunião do Eurogrupo de quinta-feira, que ainda será celebrada por videoconferência, lançará “o convite à apresentação de candidaturas” e delineará o processo de eleição para a sua sucessão.

Deste modo, embora cesse funções como ministro das Finanças na próxima segunda-feira, data em que tomará posse João Leão, Centeno continuará a desempenhar as funções de presidente do Eurogrupo ainda durante aproximadamente mais um mês.

Eleito em a 4 de dezembro de 2017 para a presidência do Eurogrupo, por um período de dois anos e meio, Centeno despedir-se-á assim do cargo em julho, tornando-se o primeiro presidente do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro a cumprir apenas um mandato.

Centeno foi o terceiro presidente do Eurogrupo, depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker (2005-2013) e do holandês Jeroen Dijsselbloem (2013-2018).

Catarina Machado / com Lusa