O Presidente da República considera que «os níveis de abstenção» registados nas eleições europeias «são sintomas de desistência e resignação que só empobrecem a democracia».

As reacções dos partidos

«O alheamento não é a forma mais adequada e eficaz de enfrentarmos os desafios e resolvermos as dificuldades», referiu ainda.

Sócrates: «O Presidente da República não é o porta-voz da oposição»

Cavaco Silva, que falava durante as cerimónias do 10 de Junho, acrescentou que sem instituições prestigiadas é difícil mostrar às populações que o seu voto pode fazer a diferença.

Cavaco: «É preciso rever hábitos de consumismo»

Certo de que «a verdade gera confiança e a ilusão incerteza», o Chefe de Estado pediu o reforço da «credibilidade» dos decisores políticos e lembrou que «os pressupostos éticos são necessários nas instituições, nos negócios e no trabalho».

«Asseguro aos portugueses que nas boas como nas más horas estarei aqui», acrescentou.

Cavaco corrige «erro histórico» no 10 de Junho

Cavaco lembrou que «a ausência de escrúpulos e de princípios de alguns» esteve na origem da actual situação económica mundial e avisou que «o desenvolvimento não pode processar-se à margem do social e dos imperativos éticos».

«Portugal pode ser um país de vencedores», acrescentou, num apelo à auto-confiança dos portugueses.

Cavaco distingue 20 portugueses que vivem fora do país

O médico Gentil Martins, o cantor Paulo de Carvalho e o antigo-ministro da Educação Roberto Carneiro foram alguns dos agraciados nas cerimónias do Dia de Portugal.
Redação / CR