O CDS-PP defendeu esta terça-feira o reforço da testagem dos jovens entre os 10 e os 19 anos e pediu a inclusão nesta fase de vacinação dos idosos com mais de 80 anos que já tenham estado infetados.

O CDS volta a insistir com o Governo para que reforce a testagem entre os 10 e os 19 anos de idade, faixa etária onde a doença progrediu 60% desde a última reunião", afirmou a porta-voz do CDS num curto vídeo enviado aos jornalistas após 20.ª sessão sobre a situação da covid-19 em Portugal, no Infarmed, em Lisboa.

Esta sessão tem participação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, do primeiro-ministro, António Costa, de representantes de partidos e dos parceiros sociais.

Cecília Anacoreta Correia apelou também à revisão dos "critérios de vacinação, designadamente quanto à exclusão dos maiores de 80 anos já infetados há mais de seis meses desta fase de vacinação".

Não lhes estando garantida a imunidade, não se compreende a razão de ser de não inclusão dos maiores de 80 anos nestas condições desde já no plano de vacinação", defendeu.

Na mensagem em vídeo, a democrata-cristã assinalou também que o CDS está "muitíssimo" preocupado por "não haver respostas públicas para o agravamento dos problemas de saúde mental dos portugueses, que tem vindo a ser reiteradamente referido nas reuniões do Infarmed".

A porta-voz do CDS-PP advogou ainda que "urge garantir a abertura de fronteiras, designadamente entre Portugal e Espanha", e insistiu que "isso pressupõe planeamento e implementação de medidas nas fronteiras face às quais o Governo também nada tem dito nestas sucessivas reuniões".

Portugal regista hoje cinco mortes atribuídas à covid-19, 353 novos casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 e uma nova redução do número de internamentos em enfermaria e cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim da DGS estão hoje internados em enfermaria 346 doentes, menos 19 em relação a segunda-feira, e 86 em unidades de cuidados intensivos, menos cinco.

Desde o início da pandemia Portugal já contabilizou 834.991 casos confirmados e 16.970 óbitos. 

/ CE