António Costa foi este sábado eleito secretário-geral socialista, com cerca de 96% dos votos, de acordo com os resultados provisórios divulgados pela Comissão Organizadora do Congresso (COC) do PS.

Daniel Adrião, o dirigente socialista que pela segunda vez se apresentou na corrida, obteve cerca de 4% dos votos nestas eleições diretas, ainda segundo os dados provisórios, quando estavam apuradas 86% dos votos, disse à Lusa Manuel Lage, presidente da COC.

Nestas eleições, que começaram na sexta-feira e terminaram hoje, eram também escolhidos os 1.851 delegados ao Congresso Nacional do PS da Batalha, distrito de Leiria, que se realiza de 25 a 27 de maio.

Até cerca das 23:15, Daniel Adrião tinha eleito 36 delegados e António Costa 1.668.

Os resultados finais deverão ser conhecidos nas próximas horas, segundo disse Manuel Lage, altura em que serão apresentados os dados com número de votantes.

De acordo com informações fornecidas pela COC do PS à agência Lusa, têm capacidade eleitoral 51.191 militantes (o número dos que têm quotas pagas), mais dois mil do que os registados antes do Congresso de 2016.

Nas últimas diretas para o cargo de secretário-geral do PS, em maio de 2016, António Costa foi eleito com 95,3% dos votos, contra 2,8% de Daniel Adrião, tendo sido também eleitos na altura 1.763 delegados ao Congresso que decorreu na Feira Internacional de Lisboa.

Em novembro de 2014, na primeira vez em que foi eleito líder dos socialistas, o atual primeiro-ministro não teve oposição na corrida a este lugar.

Pouco antes, em setembro desse mesmo ano, António Costa tinha derrotado com cerca de dois terços dos votos o então secretário-geral deste partido, António José Seguro, em eleições primárias (estas abertas a simpatizantes) inéditas no panorama partidário português.

Além dos 1.851 delegados que serão eleitos pelas bases do PS, o congresso da Batalha terá ainda 123 delegados inerentes, com direito a voto, por fazerem parte dos órgãos nacionais (Comissão Nacional, Comissão Política e Secretariado Nacional).

Os candidatos a delegados ao Congresso da Batalha concorrem integrados em listas associadas a moções de orientação política, que são duas: uma tem como primeiro subscritor António Costa e que se intitula "Geração 20/30", e a outra, de Daniel Adrião, com o lema "Reinventar Portugal".

Costa agradece no YouTube

António Costa, reeleito no sábado secretário-geral do PS, agradeceu a “forma tão expressiva” como os militantes “renovaram a confiança” na sua liderança e pediu uma “grande mobilização” do partido no Congresso da Batalha, Leiria, no fim do mês.

Numa mensagem em vídeo do Youtube colocada no “site” do PS e nas páginas do partido nas redes sociais Facebook e Twitter, Costa deixou também uma “saudação especial” a Daniel Adrião, que com ele disputou a corrida nas eleições diretas de sexta-feira e sábado.

O líder socialista pediu “uma grande mobilização para uma participação ativa no congresso”, em que os portugueses “aguardam com interesse” pela capacidade do PS para “responder aos quatro grandes desafios estratégicos do país”.

Esses reptos são as alterações climáticas, o desafio demográfico, a sociedade digital e o “combate contra as desigualdades”, “esse desafio de sempre” dos socialistas, acrescentou.

A prazo, António Costa vê o Governo do PS a terminar o seu mandato, em outubro de 2019 e promete estar concentrado na execução do programa do Governo, “dia a dia, até ao final da legislatura”.

Temos que ser capazes de pensar o futuro para ter uma boa visão estratégica que enquadre o programa das eleições europeias e o programa eleitoral com que, em outubro de 2019, nos apresentaremos de novo aos portugueses”, afirmou.

E despede-se, no vídeo de pouco mais de um minuto, com “saudações socialistas deste vosso camarada António Costa”.