David Justino, vice-presidente do PSD, disse que se tem assistido a "um circo mediático", esta quarta-feira, reagindo à greve dos motoristas que tem paralisado o país. "Desde muito cedo se percebeu que as partes estavam mais interessadas em ganhar uma guerra de comunicação" e o Governo está a participar neste neste conflito.

Vários ministros começaram a fazer declrações com três semanas e meia de antecedência, dando sinal que estava disponível para entrar no confronto".

O Governo demonstrou irresponsabilidade", afirmou, acrescentando que "foi forte com os mais fracos. Fraco com os mais fortes"

O vice-presidente do PSD garantiu ainda que o Governo tem sido parcial e tem ignorado "os indícios de fraudes fiscais". "Criaram o problema e não sabem sair dele", deixando "extremar as posições", acrescentou.

"Foi isso mesmo que fez, entrando em força no tal circo mediático, começando por dramatizar as consequências do cenário de greve e inundando os órgãos de comunicação social de visitas, declarações, entrevistas (chegou-se ao extremo de termos três ministros em simultâneo em três canais de televisão), anúncio de medidas, mobilização de forças armadas e de segurança".

Uma situação que considera que seria muito distinta se o Executivo fosse o PSD.

Se o PSD fosse Governo tinha forçado um entendimento nas três semanas que antecederam a greve".

Acusou também o Governo de "espalhar o alarmismo, admitindo o recurso às forças armadas para minimizar os efeitos da greve".

David Justino frisou ainda que o "Governo é parte do problema" e que, "depois de todo o aparato mediático, continuamos sem resolução para o problema".

O PSD aconselha o Governo  a apostar todos os seus recursos no restabelecimento das negociações, mesmo que para tal seja necessário suspender a requisição civil e "desde que as posições irredutíveis dos sindicatos e dos representantes do patronato possam ser superadas, nomeadamente pela suspensão da greve".

"O recato que aconselhámos e que voltamos a aconselhar ao Governo também nós o adótamos", garantiu.

Neste contexto, o PSD aconselha o Governo a apostar todos os seus recursos no restabelecimento das negociações, mesmo que para tal seja necessário suspender a requisição civil e desde que as posições irredutíveis dos sindicatos e dos representantes do patronato possam ser superadas, nomeadamente pela suspensão da greve - tal como já foi recentemente sugerido pelo presidente do PSD - e pela negociação sem condições prévias", sugeriu.

Na perspetiva de David Justino, "não há outra solução para resolver a atual crise" que não passe pela negociação.

Ou há negociação e as partes têm a coragem de abdicar dos seus instrumentos de influência para se sentarem à mesa e tentarem encontrar uma solução ou então não há nenhuma solução", avisou.