O eurodeputado Paulo Rangel vai avançar, esta quinta-feira, no Conselho Nacional do PSD a sua candidatura à liderança do partido. A notícia foi avançada pelo jornal Observador e confirmada, entretanto, pela TVI. 

Rangel vai apresentar um requerimento para inverter a ordem dos trabalhos e votar primeiro a data das eleições internas e do congresso. 

Recorde-se que a direção do PSD propôs realizar-se as eleições internas, para escolher o próximo presidente do partido, no dia 4 de dezembro. Assim como propuseram a realização do Congresso em janeiro, entre os dias 14 e 16. 

Mas Rui Rio alertou para o facto de, dado o caso de o Orçamento do Estado para 2022 não passar na votação na generalidade e final global, os sociais-democratas serem apanhados num contexto de crise política em tempo de diretas. O presidente do partido propôs, assim, marcá-las para depois do Orçamento do Estado. 

Paulo Rangel, 53 anos, é eurodeputado desde 2009, tendo sido por três vezes consecutivas cabeça de lista nas europeias pelo PSD, e é vice-presidente do Partido Popular Europeu.

Líder parlamentar do PSD entre 2008 e 2009, sob a liderança de Manuela Ferreira Leite, Rangel disputou a presidência do PSD em 2010, conseguindo 34,4% dos votos contra os 61% de Pedro Passos Coelho, numas eleições a que também concorreram José Pedro Aguiar Branco (3,42%) e Castanheira Barros (0,27%).

Em 2017, voltou a ponderar concorrer à presidência do PSD, aquando da saída de Pedro Passos Coelho, mas decidiu não avançar invocando razões de ordem familiar.

Nas últimas diretas, em 2020, apoiou o atual presidente, Rui Rio, contra Luís Montenegro e Miguel Pinto Luz, mas meses mais tarde viria a recusar um convite da direção para ser o candidato do PSD à Câmara Municipal do Porto.

O presidente do PSD, Rui Rio, ainda não esclareceu se será ou não recandidato ao cargo.

Paula Caeiro Varela