O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu este sábado que, apesar de não ser obrigatória, a vacinação é “fundamental”, apelando a que os portugueses façam a vacina contra o sarampo, sobretudo crianças e jovens.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas durante uma visita do chefe de Estado à Futurália, feira de Educação e Formação, que decorre na FIL, em Lisboa.

Não é possível haver vacinação obrigatória, mas é muito importante que muitos portugueses percebam a importância da vacina”, sublinhou o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que “houve uma moda respeitável,” mas que não deixou de ser “uma moda” entre as pessoas que hoje estão entre os 30 e os 50 anos de idade que entediam que as vacinas tinham efeitos colaterais.

Ora está provado que a vacinação tem um papel fundamental neste tipo de doenças e, portanto, se eu posso fazer um apelo sem que isso seja obrigatório para ninguém, é o apelo no sentido de vacinarem, a começar pelas crianças e pelos jovens”, defendeu o Presidente, referindo-se à vacina do sarampo.

Isso é mais importante do que saber “se cabe ou na Constituição” a obrigação de vacinar, disse ainda o Presidente da República, lembrando que ele próprio já deu o exemplo, com a vacina contra a gripe.

“Já tive sarampo quando era criança, mas se fosse mostrar que era necessário fazer vacina contra o sarampo, eu faria a vacina contra o sarampo”, declarou Marcelo.

O número de casos confirmados de sarampo subiu para 36, segundo divulgou a Direção-geral da Saúde (DGS), este sábado.

Em comunicado, a DGS informou que até às 18:00 deste sábado foram reportados 87 casos suspeitos de sarampo na Região Norte, "a maioria dos quais com ligação ao Hospital de Santo António, no Porto".