O Partido Socialista afastou, nesta quarta-feira, o cenário de eleições autárquicas no inverno, como defende o PSD, por considerar que nessa altura a situação epidemiológica é menos favorável.

Todos os epidemiologistas têm dito que o inverno, nomeadamente as condições climáticas de novembro, dezembro e janeiro, são condições menos defensáveis para a realização de atos eleitorais", afirmou José Luís Carneiro, secretário-geral adjunto do PS, em conferência de imprensa, na Assembleia da República, depois de PSD e CDS-PP terem apresentado publicamente na terça-feira um acordo político para as eleições autárquicas.

O PS mantém, assim, que as eleições devem realizar-se na data prevista.

O que será desejável é que entre o fim de setembro e o princípio de outubro possamos realizar as eleições", indicou.

Quanto aos candidatos socialistas, José Luís Carneiro lembrou que, neste momento, a maior parte dos autarcas "está concentrada" no combate à pandemia, no processo de vacinação e na recuperação económica, bem como o partido e o Governo, pelo que "até ao fim de março, primeira quinzena de abril" serão apresentadas as candidaturas.

Mas, antes das candidaturas, há um trabalho programático, que tem a ver com a história do PS no Poder Local democrático e com os grandes compromissos das nossas candidaturas. (...) Depois da visão programática apresentada, aparecerão então as protagonistas e os protagonistas para entregarem as suas vidas ao desenvolvimento das comunidades locais", perspetivou.

O PS aproveitou, ainda, para acusar o PSD e o CDS-PP de se prepararem para fazer "coligações negativas" contra os autarcas socialistas.

O anúncio desta coligação não trouxe uma única proposta, uma única ideia sobre a visão para o desenvolvimento local. Tirando o detalhe contabilístico, PSD e CDS-PP limitaram-se a dizer que estariam contra o PS e contra os autarcas socialistas. Por não estarmos perante uma ideia, uma visão e uma proposta sobre o desenvolvimento local, consideramos que esta é uma coligação negativa", sublinhou o "número dois" da direção do PS.

Catarina Machado