Manuel Alegre diz que há deputados no PS e membros do Governo que "têm medo" do PAN. O histórico socialista retomou a polémica das touradas numa entrevista à TSF e ao Diário de Notícias e defendeu a liberdade de voto na questão da descida do IVA para os espectaculos tauromáquicos.

"Eu apoio o Governo. Eu apoio o PS e sou genuíno quando digo, na minha liberdade, que gosto de caçar. Apesar de estar adoentado, amanhã se puder vou à caça. Enquanto não for proibido pelo deputado do PAN, não é, com o apoio do Partido Socialista?", começou por ironizar. 

A seguir, lançou um elogio ao PCP e uma crítica ao PS:

Porque aí há um partido a que eu tenho de prestar homenagem, que é fiel às tradições e que tem outro enraizamento, que é o Partido Comunista Português. Tenho de prestar a minha homenagem. Não tem medo do PAN. Não tem medo do politicamente correto. Acho que há deputados que têm medo do PAN".

E continuou: "Para mim é um problema de consciência, para outros deputados também. De que civilização estamos a falar? Não é a ministra [da Cultura] que define o que é ou o que não é a civilização". 

Surge esta crítica a Graça Fonseca, pelo facto de a ministra defender o IVA máximo para as touradas (23%), enquanto o PS vai levar uma proposta a votação, ao Parlamento, que o reduz para 6%, como os restantes espectáculos terão a partir de janeiro.

Eu sei que há evolução, sou contra os maus-tratos aos animais, não haja dúvida nenhuma sobre isso. Mas sou pelas pessoas e sou por qualquer coisa de sagrado que há na corrida, qualquer coisa de sagrado muito antigo. Quem não percebe isso também não percebe a poesia, não percebe a literatura. É difícil explicar isso a quem tem uma posição sectária e fanática. E isto está a fraturar o país", afirmou Alegre na mesma entrevista.

Dentro do PS não há consenso sobre esta matéria e os deputados terão liberdade de voto. O primeiro-ministro, António Costa, fica "satisfeito" que assim seja. Se fosse ele "votava contra". Ainda assim, recusou um cenário de crise com o líder do grupo parlamentar do PS, Carlos César, que defende um IVA mais baixo para as touradas. 

"Esta solução política é boa, mesmo com maioria absoluta"

O histórico socialista defende a continuidade da chamada geringonça, mesmo depois das próximas legislativas.

Eu acho que esta solução é boa. Ou seja, mesmo que o PS viesse a ter a maioria absoluta, eu acho que esta solução é boa. As maiorias absolutas levam frequentemente os partidos a caírem em tentações desagradáveis e indesejáveis. Em todos os partidos acabaram por dar mau resultado".

Ainda assim, entende que "isso que não quer dizer que não seja legítimo que o PS se bata por isso". "Mas o Partido Socialista deve bater-se para que esta solução se mantenha, e com outra consistência e com outra ambição, e, também, com uma definição mais clara de um projeto para o país", apelou.