Bloco de Esquerda exigiu esclarecimentos sobre os contratos feitos a Jorge Bernardino, genro de Jerónimo de Sousa, na Câmara Municipal de Loures.

O Bloco de Esquerda, na senda do que tem vindo a defender no concelho, entende que têm de ser prestados amplos esclarecimentos sobre a matéria em apreço".

Em causa, estão trabalhos de manutenção de paragens de autocarro e mupis publicitários, que Jorge Bernardino, executava a troco de 11 mil euros mensais.

Em comunicado, o partido político entende que os fatos apresentados na reportagem da TVI “levantam fortes suspeitas sobre a transferência dos procedimentos utilizados” na adjudicação destes contratos.

No mesmo documento, os bloquistas referem que já não é a primeira vez que se verificam situações pouco claras na gestão do município e por isso exigem esclarecimentos.

Reação surge após uma reportagem da TVI ter denunciado a adjudicação de contratos a Jorge Bernardino, por ajuste direto, num total de mais de 150 mil euros.

O requerimento já deu entrada na Assembleia Municipal de Loures.

PS subscreve "requerimento de urgência"

A concelhia do PS na Câmara de Loures, em comunicado, afirma ter subscrito um "requerimento de urgência" para alguns esclarecimentos.

No sentido de exigir as seguintes respostas: cópia dos contratos em causa; cópia dos respectivos cadernos de encargos; quantas empresas foram consultadas em cada uma das adjudicações; cópia dos relatórios dos trabalhos efectuados e respectivos pagamentos; cópia dos contratos, cadernos de encargos e montantes financeiros envolvidos com a anterior entidade que realizava esse trabalho e respectivos relatórios”.

PS vai mais longe nas críticas ao PCP, e deixa um recado.

A mesma CDU que hoje diz ‘que é feio usar a família como arma de arremesso e de ataque’ é a mesma CDU que no passado usou e abusou dessa arma para atacar o PS na gestão do município de Loures".

O líder do PCP garante nunca ter tido conhecimento deste factos.

PSD diz que este não é caso único 

A concelhia do PSD também já reagiu. Em comunicado, diz que este pode não ser caso único, e pede que se averigue se pode ter, ou não, "associado a algum ilícito criminal".

Face às evidencias, tornadas públicas, consideramos que seria de interesse para o município de Loures, bem como para os eleitores de Loures, que se averiguasse se este caso pode ter associado algum ilícito criminal".

O PSD Loures "repudia e condena" tudo o que envolve este processo e vai propor a criação de um Grupo de Trabalho não só para investigar este caso, como "todas as adjudicações diretas feitas nos últimos anos".

Irá propor na próxima Conferencia de Líderes da Assembleia Municipal de Loures a criação de um Grupo de Trabalho da Assembleia Municipal (de acordo com o Regimento deste órgão) por forma a poder fiscalizar, com caracter de urgência, não apenas este caso (que esperamos seja isolado), mas também, todas as adjudicações diretas feitas, nos últimos anos, em todos os pelouros do Município por forma a que não haja, no futuro, mais dúvidas sobre quaisquer outros casos que apenas mancham a imagem de todos quantos desempenham funções públicas de forma clara e transparente.".

A oposição quer ir até às últimas consequências para o apuramento da verdade e por isso, em três requerimentos independentes, exigem à assembleia municipal de Loures, o acesso a toda a documentação respeitante aos contratos celebrados com o genro de Jerónimo de Sousa.

Querem também aceder ao caderno de encargos e montantes financeiros envolvidos com a entidade que antecedeu a Jorge Bernardino na execução daqueles trabalhos.