O primeiro-ministro, António Costa, vai ficar em isolamento profilático até dia 29 de dezembro. A decisão foi comunicada esta sexta-feira pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

Na sequência da exposição a caso de COVID-19, ocorrida no dia 16/12/2020, o Primeiro-Ministro, Dr. António Costa, e após avaliação de risco efetuada por Autoridade de Saúde, este foi considerado contacto com exposição de alto risco", pode ler-se no comunicado.

António Costa fica assim sujeito “a vigilância ativa durante 14 dias, desde a data da última exposição, com isolamento profilático na Residência Oficial até ao final do período de vigilância ativa”, adianta a ARSLVT.

O primeiro-ministro ficou em isolamento preventivo, após ter estado na quarta-feira, no Palácio do Eliseu, em Paris, com o presidente francês, Emmanuel Macron, que se encontra infetado com o novo coronavírus.

António Costa fez o teste de despiste à covid-19 na quinta-feira, no âmbito da preparação da sua visita, entretanto cancelada, a São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau e às tropas portuguesas no Mali e República Centro Africana. O teste deu negativo.

Um comunicado do gabinete de António Costa divulgado nesse dia referia que o primeiro-ministro estava em isolamento profilático preventivo, aguardando que a autoridade de saúde definisse o confinamento resultante do contacto de risco, mas que mantinha toda a atividade executiva e a agenda de trabalho não presencial

Portugal contabiliza pelo menos 5.977 mortos associados à covid-19 em 366.952 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Rafaela Laja