O presidente do Partido Democrático Republicano (PDR), António Marinho e Pinto, anunciou, esta quarta-feira, que o advogado e porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, é candidato às eleições legislativas de outubro.

Pardal Henriques vai ser candidato pelo PDR, mas na altura própria divulgaremos o círculo eleitoral por onde se candidatará”, disse aos jornalistas o advogado e ex-deputado europeu, depois de entregar a lista dos candidatos pelo círculo eleitoral do Porto.

Marinho e Pinto assumiu que ter Pardal Henriques nas listas é um “grande orgulho” porque ele foi a “imagem e a cara de um combate sindical extremamente importante por ter fugido ao controlo que os aparelhos partidários têm sobre o sindicalismo em Portugal”.

Pardal Henriques, realçou, conseguiu fazer um combate sindical fora das estruturas dominadas pelos partidos políticos, “nomeadamente pelo PS, PSD e PCP, que dominam 98% dos sindicatos em Portugal”.

Portanto, isto é de enaltecer e de elogiar”, frisou.

Sem querer revelar quando foi feito o convite a Pardal Henriques, nem por quem, o ex-deputado europeu disse que o partido e o candidato chegaram a um acordo por ele ser a “imagem de justeza” que o PDR defende.

Pardal Henriques enviou um comunicado às redações a confirmar que aceitou o convite de Marinho e Pinto para integrar a lista do PDR como cabeça de lista pelo círculo de Lisboa e acrescentou ainda que, a partir de agora, vai deixar de ser o porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas.

Para que pelo menos a minha agenda fique esclarecida, (faltando esclarecer a do porta-voz da ANTRAM e das suas nomeações pelo PS), venho por este comunicar que a partir deste momento não serei mais o porta-Voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas, por forma a não misturar o que poderia ser interpretado como campanha eleitoral. No entanto, continuarei a representar juridicamente este Sindicato, assim como o Sindicato dos Seguranças e Vigilantes de Portugal, o Sindicato Independente dos Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa, assim como outros Sindicatos e causas que aceitei defender, e fá-lo-ei com a mesma determinação, dinamismo e empenho como emprego em todas as causas que defendo", pode ler-se na nota.

Marinho e Pinto disse também que o advogado e porta-voz do SNMMP é “muito daquilo” que o partido vem defendendo, nomeadamente um rosto do combate à fraude, evasão fiscal ou corrupção, disse.

A propósito, e quanto ao facto de Pardal Henriques estar a ser investigado pelas autoridades, Marinho e Pinto lembrou que as suspeitas só surgiram quando ele “ganhou protagonismo”, acrescentando que em Portugal é “demasiado fácil” constituir alguém arguido.

Estou há décadas sob suspeitas, estive no tempo da ditadura e estou hoje, tenho mais de uma dezenas de queixas-crime e, no entanto, nunca fui julgado”, vincou.

Questionado sobre um eventual aproveitamento político de Pardal Henriques, ao integrar as listas do PDR, Marinho e Pinto lembrou que se esse fosse o seu objetivo teria outros partidos “mais importantes”, dado o PDR ser um “partido pequeno”.

O presidente do PDR assumiu que vai a eleições para combater a atual “forma errada” de fazer política e trabalhar em benefício de um coletivo nacional e europeu e de o progresso económico-social do país.

O advogado do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, foi noticiado como sendo o cabeça-de-lista do PDR pelo circulo eleitoral de Lisboa, cabendo a Marinho e Pinto a primeira posição pelo Porto.

Em outubro de 2015, o PDR foi a sétima força política mais votada nas eleições legislativas, com 1,14% (61.632 votos), atrás do PAN, que elegeu um deputado.