O presidente do PSD/Açores, José Manuel Bolieiro, defendeu esta segunda-feria  um “compromisso de financiamento” à Universidade dos Açores que seja “previsível e estável”, considerando a verba atribuída atualmente pelo Governo Regional à academia absolutamente insuficiente”.

Quero deixar, como deixei ao senhor reitor, a garantia de que teremos um compromisso de financiamento regular, previsível e estável, que alavanque a investigação, a inovação e a tripolaridade, a multipolaridade da Universidade dos Açores”, declarou o líder social-democrata.

O candidato a presidente do Governo Regional nas próximas eleições regionais de 25 de outubro falava após reunir-se com o reitor da Universidade dos Açores (UAc), em Ponta Delgada, num dos três polos da instituição, que se divide entre as ilhas de São Miguel, Terceira e Faial. 

Bolieiro criticou a verba de 350 mil euros anuais atribuída à academia açoriana pelo Governo dos Açores, liderado pelo socialista Vasco Cordeiro, referindo ser necessário reforçar os valores, de acordo com os “recursos do orçamento regional”.

Não podemos fazer da Universidade dos Açores uma instituição de mão estendida com dúvidas sobre o financiamento que vai ter a cada ano. É preciso garantir estabilidade e previsibilidade, aliás, plurianual”, declarou.

Sobre o valor do apoio defendido pelo PSD para a UAc, Bolieiro destacou que a “quantificação terá de ser feita de forma tempestiva e plurianual em negociação”, mas considerou que o estudo apresentado pela UAc para os custos da tripolaridade (avaliados em 850 mil euros) é um “bom ponto de partida”.

O cabeça de lista do PSD pela ilha de São Miguel às próximas regionais disse também ser necessário “garantir no contexto nacional a responsabilidade do Estado” no financiamento “adequado e suficiente” da academia.

Bolieiro também reforçou a posição do partido sobre a proposta de criar uma universidade internacional do Atlântico nos Açores, proposta por António Costa Silva no plano de recuperação económica nacional.

O presidente do PSD/Açores disse ser contra a “fusão” da UAc com outras academias, salientando a “excelência da investigação” da Universidade dos Açores no estudo do Atlântico, que deve ser “reforçada” e “ampliada”.

Somos contra a fusão da universidade. Nós defendemos intransigentemente o papel da Universidade dos Açores”, disse.

As eleições regionais nos Açores decorrem em 25 de outubro, com 10 círculos eleitorais: nove de ilha e um pela compensação.

O PS governa os Açores há 24 anos, tendo sido antecedido pelo PSD, que liderou o executivo regional entre 1976 e 1996.

Vasco Cordeiro, líder do PS/Açores e presidente do Governo Regional desde as legislativas regionais de 2012, após a saída de Carlos César, que esteve 16 anos no poder, apresenta-se de novo a votos para tentar um terceiro e último mandato como chefe do executivo.

/ HCL