O presidente do partido Chega, André Ventura, afirmou este sábado que irá estar presente no tribunal a 10 de maio para responder num processo movido pela família do bairro da Jamaica visada na campanha para as eleições presidenciais.

O líder do Chega reagiu este sábado, em Bragança, à notícia de que foi processado por sete membros da família residente no bairro da Jamaica, no Seixal, por ter usado uma fotografia em que apareciam junto de Marcelo Rebelo de Sousa para dizer que o Presidente da República preferiu estar com “bandidos” do que visitar os polícias envolvidos num desacato na zona.

A alusão foi feita em janeiro, durante um debate televisivo para as eleições presidenciais, e o julgamento do processo movido pela família em causa está marcada para 10 de maio, o que para André Ventura é motivo de “estranheza” pela rapidez do processo e por alegadamente não ter sido contacto.

Quero manifestar a minha estranheza enorme por nunca ter sido contactado em relação a este processo, soube hoje também que o parlamento não foi contactado em relação a este processo e aparentemente está marcada uma audiência de julgamento para dia 10 de maio”, afirmou.

André Ventura disse também estranhar “a rapidez com que tudo isto aconteceu e que certamente os portugueses estranharão que outros fiquem sete anos, e oito e nove à espera de decisões, e aparentemente os do André Ventura e do Chega são rapidíssimos”.

O André Ventura não fugirá à Justiça, enfrentará a Justiça no dia 10 de maio, o que eu disse mantenho exatamente nos mesmo termos, não vou voltar atrás”, declarou, à margem de uma convenção autárquica do partido que decorre hoje, em Bragança.

O presidente do Chega espera “que o tribunal compreenda que vivemos numa democracia e em democracia há liberdade de expressão, também há consequências dessa liberdade de expressão” e estará presente na audiência para “assumir essas consequências da liberdade de expressão”.

Estranho o momento, estranho a rapidez, estranho a velocidade com que todo este processo foi feito, não fugirei, estarei lá, enfrentarei a justiça a defender que nós não somos racistas, a defender que o que disse foi que o presidente da República tinha preferido estar com bandidos e um deles tinha sido noticiado como bandido e não foi visitar os policias que foram agredidos, mantenho exatamente aquilo que disse”, reiterou.

André Ventura disse ainda que não abandonará a política por causa deste processo e remete para os militantes decisões sobre a continuidade da liderança.

Ventura insistiu que irá repetir o que disse na campanha para as presidenciais.

Se isso não se puder dizer, prendam-me. Se eu não puder dizer neste país que acho que um presidente da República deve ir visitar polícias e não bandidos, acho que estamos num país errado, se eu não puder dizer que há problemas com minorias em Portugal, acho que já não estamos no país certo”, declarou.

/ HCL