O ministro da Educação reagiu esta terça-feira ao caso da agressão por parte de um membro da comitiva do FC Porto ao rerpórter de imagem Francisco Ferreira, da TVI, ocorrida esta segunda-feira em Moreira de Cónegos, após o Moreirense-FC Porto.

Tiago Brandão Rodrigues diz que este é um comportamento "absolutamente reprovável, altamente condenável", afirmando que tem a "veemente condena" do Governo.

Lembrando que este é um crime público (agressão a jornalista no exercício de funções), o ministro diz que terá de haver uma atuação "inequívoca", que evite que algo semelhante volte a ocorrer, seja num recinto desportivo, seja nas imediações de um recinto desportivo.

Sabemos que dentro daquele recinto desportivo só estavam as duas comitivas e a equipa de arbitragem. É preciso entender quem é esta pessoa e porque é que ali estava", disse Tiago Brandão Rodrigues.

O agressor em causa é Pedro Pinho, que chegou a ser sócio de Alexandre Pinto da Costa, e que muitas vezes acompanha a comitiva do FC Porto nos jogos fora, ainda que não faça parte da estrutura do clube.

Os protagonistas e os atores principais do desporto têm muitas vezes um comportamento cuja imitação sabemos bem ao que pode levar. Sou um amante do futebol e quero crer que o futebol entende a importância que tem. Num momento em que queremos, desejamos e ansiamos ter público nas bancadas, embora saibamos que é difícil que isso aconteça esta época, sabemos bem que momentos como aquele tornam tudo muito mais difícil, porque quem está na bancada acaba por replicar o que acontece nas quatro linhas", lembrou Tiago Brandão Rodrigues, sublinhando que o regresso dos adeptos aos estádios requer "tranquilidade, serenidade e segurança, dentro do campo e nas suas imediações", acrescentou o ministro.

O episódio mereceu um telefonema de Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do FC Porto, à direção de informação da TVI, ligação na qual o responsável máximo dos dragões lamentou o sucedido.

António Guimarães