No ano de 1975, em pleno Processo Revolucionário em Curso (PREC), a propaganda desempenhou um papel fundamental no combate político. Os muros e as paredes cobertos de tinta e cartazes, por vezes uns por cima dos outros, davam origem a uma dialéctica nocturna, de punhos, entre os militantes dos diversos partidos e grupos que os disputavam. O mar de panfletos,  de comunicados, de convocatórias para comícios, assim como a venda de jornais, eram permanentes. O país estava ao rubro e, provavelmente, nunca se imprimiu tanta propaganda política como nesses tempos.

No 1º de Maio desse ano, o primeiro-ministro  Vasco Gonçalves lançou a «batalha da produção» e a Carris – já tutelada pela Secretaria de Estado das Obras Públicas, dos Transportes e das Comunicações – passou a incluir propaganda  no verso dos minúsculos bilhetes vendidos a bordo dos autocarros e eléctricos da cidade de Lisboa. Não se sabe muito bem da sua eficácia, porque as únicas pessoas que costumavam olhar para os bilhetes eram os caçadores de capicuas. Supostamente davam sorte, mais sorte do que a que teve a Batalha da Produção.

Veja aqui o programa Ephemera da TVI24

A TVI24 associa-se à biblioteca e arquivo de José Pacheco Pereira, publicando todos os dias uma imagem inédita dos fundos do arquivo, que estão a ser tratados mas ainda não foram publicados. Essa imagem, que pode ser uma fotografia, um panfleto, um documento, a capa de um livro, um objecto, um autocolante, um pin, um cartaz, um vídeo ou uma gravação será acompanhada por um pequeno texto que complementa a informação do EPHEMERA DIÁRIO. 

Quem possa ter mais documentação ou informações sobre a imagem/tema em causa pode enviar para jppereira@gmail.com ou jrreis@tvi.pt.

Pacheco Pereira