O fadista Nuno da Câmara Pereira vai ser o candidato do PSD à Câmara de Sines, no distrito de Setúbal, nas próximas eleições autárquicas, após a retirada da candidatura de Ana Calca Figueira, revelou o partido.

O candidato independente, de 69 anos, disse hoje à agência Lusa que aceitou o convite da Distrital de Setúbal do PSD para encabeçar a lista social-democrata ao Município de Sines, gerido pelo socialista Nuno Mascarenhas, com o “objetivo de servir” as populações.

O antigo líder do Partido Popular Monárquico argumentou que está “em Sines por direito próprio” e por acreditar que “há uma mais-valia” na sua experiência de vida, profissional e pessoal, que lhe permite “dar muito a Sines” e aos habitantes do concelho.

Tenho como ideia, principalmente, dignificar o Alentejo. Não temos nada contra ninguém, mas nós alentejanos queremos ter direito à dignidade de o sermos e ter uma palavra a dizer ao mundo, na dignificação do trabalho, da honra, do respeito e consideração”, afirmou.

O nome de Nuno da Câmara Pereira foi anunciado pela Comissão Política Distrital de Setúbal do PSD na sequência da saída da candidata Ana Calca Figueira, no início deste mês, por “vontades e interesses alheios” aos seus “ideais de ação”.

Apesar de reconhecer que um dos principais desafios da sua candidatura poderá ser o facto de “não ser filho de Sines”, Nuno da Câmara Pereira considerou que vai ser capaz de construir uma lista composta “por gente da terra” e, assim, conseguir “convergir tendências diferenciadas” num “foco comum”.

"Sou candidato a presidente da câmara. Não é fácil, mas uma coisa é certa. Se for [eleito] só vereador, assumirei toda a responsabilidade que as pessoas me quiserem confiar", afiançou.

Conhecido fadista e defensor da monarquia, Nuno da Câmara Pereira já foi deputado na Assembleia da República e, nas eleições autárquicas de 2013, candidato pelo Partido Nova Democracia (PND), como independente, à Câmara Municipal de Sintra (Lisboa).

O atual executivo camarário de Sines, liderado pelo socialista Nuno Mascarenhas, que cumpre o segundo mandato, é constituído por cinco eleitos do PS, um do movimento Sines Interessa Mais (SIM) e um da CDU.

As eleições autárquicas deste ano ainda não têm data marcada, mas, por lei, realizam-se em setembro ou outubro.

/ RL