O ex-ministro Miguel Relvas manifestou esta sexta-feira o apoio público ao candidato à liderança do PSD Miguel Pinto Luz, dizendo que apoia o vice-presidente da Câmara de Cascais como apoiou, no passado, Durão Barroso, Marques Mendes e Pedro Passos Coelho.

Num vídeo colocado na sua conta da rede social Instagram e partilhada pela candidatura de Pinto Luz, o antigo secretário-geral do PSD diz acreditar que a candidatura do autarca de Cascais será “uma verdadeira pedrada no charco na política portuguesa”.

Eu apoio a candidatura de Miguel Pinto Luz com a atitude com que apoiei a candidatura de Durão Barroso, a candidatura de Marques Mendes e a candidatura de Pedro Passos Coelho ao longo dos anos, candidaturas com projeto, candidaturas com convicções”, defendeu Miguel Relvas.

O apoio de Miguel Relvas a Miguel Pinto Luz já era conhecido, mas o antigo ministro dos Assuntos Parlamentares de Passos Coelho ainda não o tinha expressado publicamente.

É uma candidatura virada para o país e não uma candidatura virada para o partido. Com a candidatura de Miguel Pinto Luz, o PSD voltará a ser igual a si próprio, voltará a ser um grande partido, um partido que não se contenta em ser segundo, que não se contenta em estar num campeonato de menor dimensão”, aponta Relvas no vídeo.

A primeira vez que o nome de Pinto Luz foi apontado como potencial candidato a líder do PSD foi precisamente pela voz do antigo secretário-geral Miguel Relvas, em setembro de 2017, numa entrevista ao Expresso, ainda antes do mau resultado do partido nas autárquicas que ditaria a não recandidatura de Pedro Passos Coelho.

O nome do antigo presidente da distrital de Lisboa (estrutura a que presidiu entre 2011 e 2017) ainda circulou entre os possíveis candidatos à sucessão de Passos Coelho, mas Pinto Luz não avançou então por entender não estarem reunidas as condições pessoais e políticas desejadas.

Miguel Pinto Luz será agora candidato às eleições diretas do PSD marcadas para 11 de janeiro - com uma eventual segunda volta uma semana depois -, que disputará com o atual presidente do PSD, Rui Rio, e com o antigo líder parlamentar Luís Montenegro.

Já com o presidente do partido escolhido em diretas, o congresso do PSD realiza-se entre 07 e 09 de fevereiro, em Viana do Castelo.