O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esperar que ainda hoje haja uma solução para a TAP, por acordo com os acionistas privados da companhia aérea, e não imposta pelo Estado.

António Costa falava em declarações conjuntas aos jornalistas com o presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, no Castelo de Elvas, no distrito de Portalegre, após as cerimónias oficiais que assinalaram a reabertura da fronteira entre Portugal e Espanha.

Estou certo de que, se não hoje, no limite, nos próximos dias, teremos uma solução final. Mas, se tivesse de apostar, eu diria que hoje será o dia da solução para a TAP, e espero que negociada e por acordo com os nossos sócios privados, e não propriamente com um ato de imposição do Estado", declarou, acrescentando: "Se for necessário, cá estaremos para isso. Espero que não seja necessário".

Segundo o primeiro-ministro, "a TAP está seguramente a caminho de ter uma solução estável que assegure a Portugal manter a sua companhia", o que considerou fundamental para a continuidade territorial e o desenvolvimento económico do país e a sua ligação ao mundo.

Questionado se o Governo deseja que o empresário David Neeleman saia da TAP, António Costa não respondeu à pergunta e limitou-se a referir que não teve "oportunidade nas últimas horas de ter informações" sobre esta matéria.

Mas creio que o problema, a questão será ultrapassada muito rapidamente", reiterou.

/ BC