O PAN elegeu o seu quarto deputado nas legislativas de hoje, Maria Cristina Rodrigues, a número um da lista do círculo eleitoral de Setúbal.

Às 00:21, quando falta apurar o resultado de uma freguesia do país (Lumiar, Lisboa), o PAN tem mais três deputados eleitos: André Silva e Inês Sousa Real, por Lisboa, Bebiana Cunha, pelo Porto.

Com os resultados de hoje, o PAN passa a poder formar um grupo parlamentar, depois de ter eleito apenas um deputado em 2015 (André Silva).

No Museu da Cidade, onde o partido acompanha a evolução dos resultados eleitorais, a número dois da lista do PAN por Lisboa, Inês Sousa Real, salientou que hoje "é um momento feliz".

Pela primeira vez, o PAN tem um grupo parlamentar", sublinhou a porta-voz do partido para a noite eleitoral, referindo que se espera também mais representação "a sul", onde "as projeções estão otimistas".

Apesar de apelar à calma enquanto se aguarda pelo resto dos resultados das legislativas, Inês Sousa Real voltou a realçar que o grande objetivo do PAN, que era passar de um deputado para um grupo parlamentar, está atingido.

Isto vai dar-nos força. O aumento desta representação vai dar-nos força para termos mais direitos na Assembleia da República, para podermos estar presentes em mais comissões e termos assim mais trabalho em prol das causas e valores do PAN", disse.

"Que grande noite, que noite feliz", acrescentou Inês Sousa Real, perante simpatizantes e militantes do partido, que acompanham no Museu da Cidade a noite eleitoral.

"Conservadorismo” de CDS-PP, PSD e PCP perdeu a maioria

O porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), André Silva, congratulou-se hoje pela eleição de quatro deputados e por o "conservadorismo" de CDS-PP, PSD e PCP ter perdido a maioria no Parlamento.

O conservadorismo perdeu a maioria que tinha no parlamento. PSD, CDS e PCP perderam mandatos e estão reunidas as condições para que Portugal avance em convergência com os valores do século XXI", afirmou André Silva, que discursava no Museu da Cidade, em Lisboa, após a confirmação da eleição de quatro deputados pelo PAN.

Para o dirigente do PAN, havia duas maiorias parlamentares "e uma delas caiu, que foi a maioria conservadora, que impediu Portugal de avançar em várias matérias".

André Silva, que subiu ao púlpito depois do discurso do secretário-geral do PS, António Costa, salientou que o PAN foi a quinta força política nos círculos de Lisboa, Porto, Setúbal e Faro, referindo que o resultado é sinal de que o partido "consolidou-se no sistema político português".

Questionado sobre um possível acordo com o PS, André Silva voltou a frisar algo que já tinha dito em campanha: "O PAN não quer fazer parte da solução governativa."

O PS precisa apenas do Bloco de Esquerda ou da CDU", notou, referindo que isso não impede o partido de fazer avançar propostas, tal como fez na última legislatura.

O PAN foi criado em 2009 (na altura designado Partido Pelos Animais) e oficialmente inscrito no Tribunal Constitucional em 2011.

Em 2011, o PAN registou um total de 57.849 votos (1,04%), não tendo eleito qualquer deputado.

Em 2015, o partido quase duplicou o número votos, com mais de 75 mil a nível nacional (1,39%), altura em que elegeu o seu primeiro deputado, pelo círculo de Lisboa, onde foram contabilizados cerca de um terço de todos os votos no PAN nessas legislativas (22 mil).