Na sexta-feira, a ministra da Saúde utilizou uma das viaturas oficiais do Governo para marcar presença numa ação de campanha do Partido Socialista (PS), no Porto. A notícia foi avançada pelo Observador.

André Ventura, em declarações aos jornalistas numa arruada em Santa Catarina, no Porto, apelidou a situação de "muito grave" e anunciou que o Chega vai questionar formalmente o Governo e a ministra da Saúde.

Queria aproveitar para anunciar que o Chega vai hoje mesmo questionar o Governo na Assembleia da República pelo facto de a ministra da Saúde ter utilizado um carro do Estado para fazer campanha", disse.

Ventura foi mais longe e disse que só existem dois caminhos: ou um pedido de desculpas ou o afastamento de Marta Temido. 

Não se trata de uma mera questão política, a Ministra da Saúde violou o próprio código de conduta e de ética aprovado pelo Governo de António Costa e, por isso, não vejo outra possibilidade senão a ministra da Saúde ou pedir desculpa ou ser afastada por António Costa."

"Não creio que haja uma questão de liderança no Chega"

O líder do Chega disse que a liderança do partido “não está em causa” mesmo que os resultados das eleições autárquicas não correspondam ao esperado. 

Ao contrário do que acontece no CDS e no PSD, não creio que haja neste momento uma questão de liderança no Chega. Por isso, não se justifica, mesmo que os resultados não sejam aquilo que esperamos (...), colocar em causa a liderança do partido e a sua direção nacional."

André Ventura avançou ainda que no final destas eleições o partido vai convocar um Conselho Nacional e uma convenção de autarcas para analisar que acordos podem ser feitos à direita. 

É muito claro o que eu vou dizer. Nós vamos ter um conselho nacional depois das eleições para avaliar o que é que correu bem e o que é que correu mal."

Cláudia Évora