Como prometido, o candidato André Ventura, colocou o cargo de presidente da direção nacional do Chega à disposição, depois de ter ficado atrás de Ana Gomes nos resultados das eleições presidenciais.

Nós somos firmes naquilo que defendemos. Ficámos e fiquei aquém dos 15% que deveríamos ter e, segundo o que os números indicam, até à hora em que estamos, com algumas décimas de diferença do pior que Portugal tem. Não fugirei à minha palavra e devolverei aos militantes do Chega a palavra sobre se querem ou não a continuidade deste projeto à frente deste partido".

O líder do partido da extrema-direita parlamentar tinha-se proposto ficar à frente dos concorrentes da esquerda (Ana Gomes, Marisa Matias e João Ferreira), alcançando assim o segundo posto e, eventualmente, obrigar o incumbente Marcelo Rebelo de Sousa a uma segunda volta eleitoral.

A direita "reconfigurou" e a esquerda foi "esmagada"

No seu discurso em tom de vitória, mas com objetivo por alcançar, Ventura começou por felicitar Marcelo pela vitória à primeira volta e apelou a um segundo mandato com "dignidade, respeito pelos portugueses, pelos portugueses de bem" e de rutura com o anterior. 

Disse que esta noite eleitoral era "histórica", porque a direita se "reconfigurou" e a esquerda "foi esmagada"

Esmagámos a extrema-esquerda em Portugal", disse Ventura alegando que a sua candidatura teve mais votos que Marisa Matias, João Ferreira e Tiago Mayan todos juntos.

O deputado acredita que o Chega será a terceira força política do país nas próximas eleições legislativas e, por isso mesmo, deixou um recado a Rui Rio. 

PSD ouve bem: não haverá governo em Portugal sem o Chega".

"Empresas de sondagem têm de perceber que não é enganando os eleitores que se faz política em Portugal"

O candidato André Ventura deixou duras críticas às sondagens feitas ao longo da campanha eleitoral, acusando-as de serem enganadoras e manipuladoras. 

As empresas de sondagem e quem as faz têm que começar a perceber que não é enganando os eleitores, não é manipulando o sentido de voto que se faz política em Portugal". 

Aproveitou ainda para dizer que nem no Alentejo o candidato comunista João Ferreira conseguiu ter mais votos. 

João Ferreira nem no Alentejo me ganhou! Vergonha!".

Cláudia Évora