Uma rede de vários movimentos antifascistas está a organizar duas manifestações contra o congresso do Chega, que vai contar com a presença que consideram ser "provocatória" do líder da extrema-direita italiana, Matteo Salvini.

Este congresso, no qual o partido político da extrema-direita parlamentar espera acolher perto de 700 pessoas, vai realizar-se no centro de negócios Caves de Coimbra.

Os protestos, agendados para esta sexta-feira e domingo, sob o lema “Coimbra pela Liberdade, foram convocados nas redes sociais.

A primeira mobilização, que pretende ocupar a praça 8 de Maio, está agendada para sexta-feira, "como resposta à marcha que o Chega pretende realizar no dia 28 de Maio, querendo celebrar o golpe militar que deu origem a 48 anos de ditadura, a mais longa ditadura fascista da Europa", indicou a organização.

Já no domingo, a Manifestação Nacional Antifascista espera mais de 600 manifestantes, cerca das 15:00, no Largo D. Dinis, para repudiar a vinda de Salvini a Portugal.

Uma cidade que já mostrou não ficar calada quando a extrema-direita a pretende usar como palco para difundir as suas ideias antidemocráticas e racistas. É altura de todas as pessoas, juntas, se oporem a este tipo de ideias e grupos que, em momentos de crise, utilizam as pessoas mais vulneráveis e oprimidas como bodes expiatórios", apela o movimento, no manifesto.

De acordo com o que fonte da organização adiantou à TVI, serão tomados "todos os cuidados sanitários necessários", nomeadamente o uso de máscara e a distribuição de gel desinfetante para todos os presentes. 

Informamos que todos os procedimentos legais foram cumpridos. Acompanhamos com preocupação o desenvolvimento da crise sanitária que vivemos, e queremos garantir que estas manifestações não se tornem em focos de contágio".

Também a PSP adiantou à TVI que tem conhecimento de ambas as manifestações e está em contacto com os promotores para planear o policiamento necessário a assegurar o usufruto em segurança do direito constitucional de reunião e manifestação.

Temos igualmente transmitido a absoluta necessidade de os promotores alertarem os participantes para a necessidade de cumprirem as normas de saúde pública (principalmente uso de máscara e distanciamento social)", indicou.

Rafaela Laja