O primeiro-ministro confirmou, esta terça-feira, que Portugal está a atravessar a quarta vaga da pandemia e admitiu que as próximas semanas serão essenciais para a vacinação, com condições mais "incómodas" devido às filas.

“O país está ainda a enfrentar esta difícil pandemia. Estamos mesmo a enfrentar uma quarta vaga desta pandemia. Não nos podemos distrair, nem relaxar e isto exige que aceleremos o processo de vacinação.”

António Costa, tal como o vice-almirante Gouveia e Melo já tem dito, justificou que o processo de vacinação sofrerá alguns “incómodos” nas próximas semanas, devido à ambição de vacinar mais portugueses.

“Vai ser feito um esforço muito grande nas próximas duas semanas, com condições mais incómodas para quem se vacina, mas que reforçará a segurança de todos.”

Costa sublinhou que é muito importante garantir de imediato a segunda dose da Astrazeneca, uma vez que só assim há mais eficácia contra a variante delta.

O primeiro-ministro salientou que o esforço de aceleração do processo de vacinação contra a covid-19 não permite “qualquer distração” quanto ao comportamento social da população, impondo a manutenção das regras de higiene e afastamento físico.

“Esta é uma luta que não terminou, é uma luta que tem de continuar e que temos de a travar”, disse.

Catarina Pereira